Bovespa cai por exterior e expectativa com combustíveis

A Bovespa registrou perdas nesta terça-feira, em meio à cautela no exterior e depois de a valorização da véspera colocar o índice acima dos 62 mil pontos. O debate sobre o teto da dívida nos Estados Unidos ofuscou dados positivos divulgados pela manhã, trazendo um viés de baixa para os principais índices de Nova York. O movimento se traduziu em pressão de baixa sobre alguns ADRs e ações de empresas brasileiras, que também reagiram a notícias locais. Os papéis da Petrobras, por exemplo, oscilaram entre altas e baixas diante da expectativa de que o reajuste dos combustíveis esteja próximo. Já os bancos, depois dos ganhos na segunda-feira, passaram por ajustes em baixa.

O Ibovespa à vista encerrou o dia com recuo de 0,57%, aos 61.727 pontos. Na máxima, no início da sessão, atingiu 62.151 pontos (+0,11%) e, na mínima, marcou 61.695 pontos (-0,62%). Da máxima para a mínima, o Ibovespa oscilou 0,73%. O giro financeiro foi de R$ 6,65 bilhões. Em Nova York, às 17h52 (horário de Brasília), o Dow Jones subia 0,08%, o S&P 500 estava estável e o Nasdaq cedia 0,34%.

Por mais um dia, profissionais citaram certa calmaria no mercado de ações, com os investidores à espera de mais notícias, principalmente do exterior, para que a tendência do Ibovespa no curto prazo seja definida. "A Bovespa está estranha, está perto dos 62 mil pontos, esperando alguma coisa nova", comentou um operador de renda variável.

A novidade para os negócios no Brasil - o possível reajuste de 7% da gasolina e de entre 4% e 5% para o óleo diesel, conforme antecipou a Agência Estado - fez os papéis da Petrobras subirem mais de 1% pela manhã, mas o mau humor externo e novas ponderações sobre a alta dos combustíveis reduziram o fôlego da estatal.

Pela manhã, o ministro interino da Fazenda, Arno Augustin, disse desconhecer qualquer decisão sobre o aumento do preço da gasolina. "O desmentido do governo pesou sobre as ações da Petrobras", comentou o operador. No fim do dia, Petrobras ON caiu 0,35%, enquanto Petrobras PN teve perda de 0,15%.

As ações da Vale, por sua vez, voltaram a recuar frente à continuidade nas baixas do minério de ferro no mercado internacional. O preço à vista (spot) da tonelada seca do minério no porto de Tianjin, na China, caiu 1,1% nesta terça-feira, para US$ 152,9, após ter atingido a cotação de US$ 86,7 em setembro do ano passado. Vale ON caiu 0,65%, enquanto Vale PNA teve baixa de 0,30%.

As ações dos bancos recuaram, após os fortes ganhos na segunda-feira. Banco do Brasil ON caiu 0,85%, Bradesco ON teve baixa de 1,53%, Itaú Unibanco recuou 1,24% e as units do Santander cederam 1,08%. A notícia de que a Caixa Econômica Federal reduziu a taxa de juros para financiamentos imobiliários acima de R$ 500 mil animou alguns papéis do setor imobiliário, com Gafisa em forte alta de 6,12% e Rossi ON com ganho de 1,12%.

Carregando...