Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.513,37
    -26,43 (-0,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.304,52
    +622,33 (+1,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,27
    +1,52 (+2,54%)
     
  • OURO

    1.713,10
    -20,50 (-1,18%)
     
  • BTC-USD

    50.705,53
    +2.929,96 (+6,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.013,12
    +25,02 (+2,53%)
     
  • S&P500

    3.825,83
    -44,46 (-1,15%)
     
  • DOW JONES

    31.316,51
    -75,01 (-0,24%)
     
  • FTSE

    6.675,47
    +61,72 (+0,93%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    12.732,00
    -323,25 (-2,48%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7529
    -0,1092 (-1,59%)
     

Botafogo precisa de gestão para não viver apenas da história

Alexandre Praetzel
·2 minuto de leitura
Eduardo Barroca foi o quarto técnico do Botafogo na temporada. Foto: Thiago Ribeiro/AGIF
Eduardo Barroca foi o quarto técnico do Botafogo na temporada. Foto: Thiago Ribeiro/AGIF

O Botafogo foi rebaixado para a Série B do Brasileiro pela terceira vez. A queda começou lá atrás, no início da temporada 2020, quando os dirigentes fizeram contratações por fazer, sem nenhum planejamento e tentativas de qualificação do elenco. O blog fez um post em janeiro do ano passado, alertando para um dos piores times da sua história.

O ano foi cheio de insegurança e incompetência dos dirigentes. A crise financeira existe há anos, mas ainda assim a diretoria preferiu nomes ao invés de manter as finanças em dia. Honda e Kalou foram boas tentativas, mas afundaram junto com a má gestão. O Botafogo teve quatro treinadores com perfis diferentes, em meio ao campeonato mais difícil.

Paulo Autuori deixou claro que estava ajudando, pelo carinho a instituição, mas saiu com sequência ruim de resultados. Bruno Lazzaroni deu um sopro de padrão à equipe, mas foi limado do cargo quando perdeu o primeiro jogo das oitavas da Copa do Brasil para o Cuiabá. Os nobres dirigentes dispensaram o técnico antes de um confronto decisivo de mata-mata, sem plano B ou C e atirando a toalha para reverter um placar de 1 a 0. Óbvio que o Botafogo foi eliminado melancolicamente com o treinador de goleiros comandando o time.

Depois, veio a ideia de um estrangeiro no ápice do furacão. Ramon Diaz sempre foi bom nome, mas jamais para aquele momento. O argentino teve um problema de saúde e seu filho ficou no cargo. Não tinha como dar certo. O desespero final chegou com Eduardo Barroca, com o elenco já entregue e aguardando o rebaixamento.

O Botafogo precisa de gestão a longo prazo, deixando a história para saudosistas como eu. Durcésio Melo tem que atacar as dívidas e trabalhar com a base, passo a passo. Títulos e resgate futebolístico só virão assim. O resto é historinha para Montenegro e seu grupo colocarem para dormir.

Volte Botafogo. Forte e resistente aos dilapidadores do clube. A torcida merece respeito.