Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.943,90
    -2,80 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    23.002,20
    -179,65 (-0,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

Bostic, do Fed, diz que dados de emprego são outro sinal de que economia está desacelerando

Presidente do Fed de Atlanta, Raphael Bostic

Por Lindsay Dunsmuir

(Reuters) - Os dados mais recentes de emprego nos Estados Unidos são outro sinal de que a economia está desacelerando gradualmente e, se isso continuar, o Federal Reserve pode reduzir para 0,25 ponto percentual o aumento da taxa de juros em sua próxima reunião de política monetária, disse o presidente do Fed de Atlanta, Raphael Bostic, nesta sexta-feira.

"Hoje eu estaria confortável com 50 ou 25 (pontos-base de aumento). Se eu começar a ouvir sinais de que o mercado de trabalho está começando a aliviar um pouco em termos de aperto, então posso me inclinar mais para 25 pontos-base", disse Bostic à emissora CNBC.

A economia manteve um ritmo forte de crescimento do emprego em dezembro, mostraram dados do governo nesta sexta-feira, com a taxa de desemprego caindo para 3,5%, mas uma moderação nos ganhos salariais animou os investidores, já que o Fed pretende reduzir a inflação sem provocar demissões em massa.

Bostic disse que os dados não mudaram sua perspectiva e reiterou que o banco central precisaria aumentar ainda mais os juros e mantê-los nesse pico, em sua previsão, até 2024 para domar a inflação, que permanece bem acima da meta de 2% do Fed.

"Espero que a economia desacelere continuamente da posição forte em que estava no verão (no Hemisfério Norte)", disse Bostic. "Este é apenas um próximo passo nisso... está indo de forma incremental... por isso temos que manter o rumo, a inflação está muito alta, precisamos reduzir esses desequilíbrios."