Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.865,90
    -50,40 (-2,63%)
     
  • BTC-USD

    23.345,18
    -101,06 (-0,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Bostic diz que autoridades do Fed "continuam determinadas" a controlar a inflação

WASHINGTON (Reuters) - A inflação é o maior obstáculo enfrentado pela economia dos Estados Unidos no momento e as autoridades do Federal Reserve "continuam determinadas" a reduzi-la de volta à meta de 2% do banco central norte-americano, disse o presidente do Fed de Atlanta, Raphael Bostic, nesta quinta-feira.

A inflação "está alta demais aqui nos Estados Unidos... eu e o Comitê Federal de Mercado Aberto continuamos determinados a usar nossas ferramentas de política monetária para trazer a inflação de volta ao nosso objetivo", disse Bostic em breves comentários preparados para o início de uma conferência na filial de Nova Orleans do Fed de Atlanta.

"Aprecio relatórios recentes que incluem sinais de moderação nas pressões sobre preços, mas ainda há muito trabalho a fazer", disse Bostic. O relatório mais recente mostrou que a medida de inflação preferida do Fed está em uma taxa anual de 5,5%.

A conferência de um dia é fechada para a imprensa, mas discutirá pesquisas sobre a "interação entre os mercados financeiros e a política monetária", disse Bostic.

Essa é uma questão de importância central para as autoridades do Fed, preocupadas com a possibilidade de os mercados estarem subestimando sua determinação de trazer a inflação de volta à meta, mesmo que isso signifique juros mais altos do que o previsto e uma desaceleração econômica maior do que o esperado.

Ele não discutiu suas opiniões ou preferências atuais para a próxima reunião do Fed, entre 31 de janeiro e 1 de fevereiro.

(Reportagem de Howard Schneider)