Mercado abrirá em 8 h 17 min
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,64
    +2,15 (+2,70%)
     
  • OURO

    1.671,70
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.114,21
    -199,27 (-1,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    434,59
    -8,84 (-1,99%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.018,62
    -204,21 (-1,19%)
     
  • NIKKEI

    26.023,79
    +86,58 (+0,33%)
     
  • NASDAQ

    10.974,50
    -61,00 (-0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3114
    +0,0035 (+0,07%)
     

Bolsonaro veta saque em dinheiro do vale-alimentação

A sanção foi publicada no
A sanção foi publicada no "Diário Oficial da União" desta segunda-feira (Getty Image)
  • Projeto pretendia possibilitar o saque do beneficio após 60 duas

  • Governo Federal vetou alterações nas leis do vale-alimentação

  • Setor de restaurantes era contra a aprovação da medida

Quando Paulinho da Força (Solidariedade-SP), apresentou um projeto que visava permitir que o auxílio-alimentação fosse pago aos trabalhadores em dinheiro, o setor de restaurantes foi contra a mudança.

Após discussões entre diferentes campos, o presidente Jair Bolsonaro (PL) sancionou com vetos a lei que muda regras para o auxílio-alimentação. Essa sanção foi publicada no "Diário Oficial da União" desta segunda-feira (5).

A mudança previa a possibilidade de sacar o benefício em dinheiro após 60 dias caso não fosse utilizado pelos funcionários das empresas.

Quando esse ponto entrou em pauta, a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) divulgou uma nota dizendo que a mudança seria uma "grave ameaça à sobrevivência de bares e restaurantes por todo o Brasil" e "tornaria impossível o controle do uso do benefício para a finalidade que foi criado".

Em março deste ano, a Medida Provisória editada pelo governo determinava que o auxílio não pode ser usado outros gastos que não seja aquisição de alimentos. Com o texto aprovado, os valores deverão ser utilizados para o pagamento de refeições em restaurantes e estabelecimentos similares.

Na época, o governo alegou que o benefício estava sendo usado pelos trabalhadores para outros serviços, como pagamento de pacotes de streaming ou mensalidades de academias.

“Ressalta-se que a possibilidade de saque dos valores de auxílio-alimentação poderia induzir o pagamento desse benefício como valor de composição salarial, percebidos como parcela remuneratória indistinta, desvinculada do seu propósito alimentar e sobre a qual incidiria tributação”, diz trecho da decisão.