Mercado fechará em 6 h 12 min
  • BOVESPA

    110.188,57
    +787,16 (+0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.020,65
    +221,19 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,18
    -0,07 (-0,09%)
     
  • OURO

    1.785,20
    +2,80 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    16.803,67
    -210,10 (-1,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    394,10
    -7,71 (-1,92%)
     
  • S&P500

    3.941,26
    -57,58 (-1,44%)
     
  • DOW JONES

    33.596,34
    -350,76 (-1,03%)
     
  • FTSE

    7.510,80
    -10,59 (-0,14%)
     
  • HANG SENG

    18.814,82
    -626,36 (-3,22%)
     
  • NIKKEI

    27.686,40
    -199,47 (-0,72%)
     
  • NASDAQ

    11.438,00
    -128,00 (-1,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5160
    +0,0373 (+0,68%)
     

Bolsonaro veta, mas BNDES participa de mesa com governadores pró-Lula na COP27

BRASÍLIA, DF, E SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (PL) vetou a participação do BNDES em um evento da COP27 com governadores da Amazônia. Entre eles, está Helder Barbalho (MDB), que convidou Lula para o encontro na conferência da ONU sobre o clima, no Egito.

O encontro com os governadores do Norte ocorre nesta segunda-feira (14). Bolsonaro já tinha proibido o envio de uma comitiva do Ministério de Ciência e Tecnologia.

Assessores do Palácio do Planalto afirmam que Bolsonaro se irritou com a presença do presidente eleito no evento. Lula, que está sendo aguardado como se fosse chefe de Estado, acusa Bolsonaro de ter colaborado com o aumento da devastação florestal na Amazônia.

Por meio de sua assessoria, o BNDES negou ter recebido qualquer "ordem" de Bolsonaro.

Integrantes da delegação, no entanto, informam que o presidente do banco, Gustavo Montezano, não cedeu diante da resistência da área técnica.

Os governadores vão apresentar resultados das políticas anunciadas desde a COP19 como forma de tentar contrapor políticas estaduais bem-sucedidas —que combinam desenvolvimento e preservação ambiental— com as políticas do governo federal, que causa repulsa na comunidade internacional, especialmente entre bancos e fundos financiadores.