Mercado abrirá em 21 mins
  • BOVESPA

    119.920,61
    +356,17 (+0,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.934,91
    +535,11 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,41
    -0,30 (-0,46%)
     
  • OURO

    1.819,10
    +3,40 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    57.185,82
    -563,60 (-0,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.484,43
    +13,02 (+0,88%)
     
  • S&P500

    4.201,62
    +34,03 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    34.548,53
    +318,19 (+0,93%)
     
  • FTSE

    7.118,61
    +42,44 (+0,60%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.644,75
    +47,00 (+0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3640
    -0,0026 (-0,04%)
     

Bolsonaro veta dedução de IR a empresa que contratar leito privado para uso do SUS

RICARDO DELLA COLETTA
·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  29-03-2021 - O presidente Jair Bolsonaro. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 29-03-2021 - O presidente Jair Bolsonaro. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) vetou dispositivo em um projeto que concedia deduções no Imposto de Renda a empresas e pessoas físicas que contratassem leitos privados de Covid para uso do SUS (Sistema Único de Saúde) --uma iniciativa patrocinada pela cúpula do Congresso.

O anúncio dos vetos de Bolsonaro ao texto foi feito pela Secretaria-Geral da Presidência.

O trecho vetado pelo presidente previa que pessoas jurídicas enquadradas na modalidade Lucro Real do imposto de renda e que contratassem leitos para o SUS poderiam deduzir o valor investido na sua declaração do IR referente ao ano-calendário de 2021.

Também havia previsão de dedução para pessoas físicas que fizessem doação semelhante.

Mas Bolsonaro barrou o dispositivo por "inconstitucionalidade e interesse público".

O impacto orçamentário das deduções deveria ficar --pelos termos do projeto-- limitado a R$ 2,5 bilhões.

O presidente vetou ainda uma parte do projeto que determinava que em cada estado seriam suspensas as cirurgias eletivas das redes pública e privada sempre que a ocupação dos leitos atingisse 85%.

A regra só não seria aplicada para procedimentos relacionados a oncologia e a cardiologia.

De acordo com a Secretaria-Geral da Presidência, a medida desconsidera que em um mesmo estado diferentes municípios podem ter taxa de ocupação variada. O governo também alega, para o veto, que a determinação postergaria o tratamento de outras doenças igualmente graves.

"Do mesmo modo, a proposta poderia reduzir ainda mais as internações cirúrgicas no âmbito do SUS, as quais já tiveram uma redução de mais de 25% de 2019 para 2020, assim como acarretaria no aumento da demanda reprimida e já agravada pela epidemia da Covid-19", diz o comunicado do Planalto.

A nota do governo diz que o projeto foi sancionado com vetos, mas os dispositivos bloqueados por Bolsonaro representam praticamente a totalidade do texto da proposição.

O projeto, aprovado no Congresso no final de março, visava aumentar a disponibilidade de leitos nas cidades brasileiras, em meio à alta ocupação no país.

A proposta votada no Legislativo criou o programa Pró-Leitos enquanto durar a crise sanitária de Covid-19. Segundo o projeto, o objetivo era incentivar pessoas físicas e empresas a usarem recursos próprios para contratar leitos clínicos e de terapia intensiva da rede privada. Esses leitos seriam usados pelo SUS e ocupados por pacientes de Covid.

Os vetos de Bolsonaro precisam ainda ser analisados pelo Congresso, que tem o poder de mantê-los ou derrubá-los.