Mercado fechará em 1 h 59 min
  • BOVESPA

    119.391,63
    -670,36 (-0,56%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.031,58
    +163,96 (+0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,27
    -0,08 (-0,13%)
     
  • OURO

    1.781,30
    -11,80 (-0,66%)
     
  • BTC-USD

    53.501,19
    -2.293,70 (-4,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.251,31
    +8,26 (+0,66%)
     
  • S&P500

    4.127,48
    -45,94 (-1,10%)
     
  • DOW JONES

    33.740,09
    -397,22 (-1,16%)
     
  • FTSE

    6.938,24
    +42,95 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.762,25
    -157,00 (-1,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5674
    -0,1346 (-2,01%)
     

Bolsonaro vê candidatura de Huck como piada e aposta em segundo turno com PT

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
Brazilian President Jair Bolsonaro speaks during the Launch of the
Presidente Jair Bolsonaro (Photo by EVARISTO SA/AFP via Getty Images)

O presidente Jair Bolsonaro tinha certeza de que disputaria o segundo turno em 2022 com o PT, segundo a colunista Mônica Bergamo, do jornal Folha de S. Paulo. Mas ele acreditava que o nome do partido não seria Lula e, por isso, a vitória seria fácil, caso chegasse à próxima eleição bem avaliado. 

Com a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que anulou todas as condenações do petista pela Justiça Federal no Paraná relacionadas às investigações da Operação Lava Jato, o ex-presidente passa a ser o candidato do partido.

Leia também:

Nos bastidores, Bolsonaro sempre disse a auxiliares que a eleição se resolveria entre ele e os petistas. O presidente trata a eventual candidatura de Luciano Huck como piada e acredita que Sergio Moro está fora do jogo.

Segundo relato de interlocutores à coluna, Bolsonaro acredita que o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), não conseguiria superar o desgaste que todos os governadores devem ter por causa da pandemia de covid-19.

Auxiliares destacam que, com Lula na disputa, o presidente não pode mais errar. Bolsonaro, que até agora "jogava brincando, terá que cuidar da estratégia e do ritmo do jogo.