Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,37
    -0,09 (-0,14%)
     
  • OURO

    1.764,40
    -2,40 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    63.230,91
    +339,14 (+0,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.397,85
    +16,90 (+1,22%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    6.983,50
    +43,92 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    28.793,14
    -107,69 (-0,37%)
     
  • NIKKEI

    29.642,69
    +21,70 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    14.010,00
    -4,00 (-0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7187
    -0,0024 (-0,04%)
     

Bolsonaro vai indicar diretor da BB Consórcios para comando do Banco do Brasil

GUSTAVO URIBE
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Com o pedido de renúncia do executivo André Brandão, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) vai indicar para o comando do Banco do Brasil o administrador Fausto de Andrade Ribeiro, atual diretor-presidente da BB Consórcios, subsidiária da instituição financeira. A expectativa é que o nome seja anunciado por Bolsonaro ainda nesta quinta-feira (18). O administrador, que tem especialização em finanças internacionais e pós-graduação pela George Washington University, foi um indicação do ministro da Economia, Paulo Guedes, e do presidente da Caixa, Pedro Guimarães. Brandão comunicou nesta quinta-feira (18) que irá renunciar ao cargo, com efeito a partir de 1º de abril, segundo informou o banco em comunicado ao mercado. No comunicado, o BB informa que Brandão entregou o pedido de renúncia a Bolsonaro, a Guedes e ao presidente do conselho de administração do banco, Hélio Lima Magalhães. O estatuto social estabelece que o chefe do banco é nomeado pelo presidente da República –portanto, cabe a Bolsonaro oficializar o novo presidente da instituição. Brandão conquistou a antipatia de Bolsonaro em janeiro, depois de anunciar o fechamento de 112 agências do BB e um programa de desligamento de 5 mil funcionários. Bolsonaro queria demiti-lo, mas adiou a decisão para não gerar mais desgaste após a intervenção na Petrobras. Nesse período, Guedes tentou convencer o presidente a mantê-lo no posto, mas foi vencido. Diante da pressão, André Brandão colocou o cargo à disposição. Pesou para isso o modo como Bolsonaro tratou da troca no comando da Petrobras, fazendo críticas públicas ao presidente Roberto Castello Branco antes de anunciar a indicação do general da reserva Joaquim Silva e Luna para o cargo. Até julho do ano passado, Brandão era do HSBC. Ele foi escolhido pelo governo para presidir o BB no lugar de Rubem Novaes.