Mercado fechará em 1 h

Bolsonaro tuíta nota da AMB defendendo autonomia médica na prescrição da hidroxicloroquina

·2 minuto de leitura

RIO — A Associação Médica Brasileira (AMB) divulgou no último domingo nota na qual defende a autonomia dos médicos para prescrever drogas contra a Covid-19, incluindo a hidroxicloroquina, mesmo que não haja evidências científicas que sustentem a eficácia destes medicamentos. O comunicado foi tuítado pelo presidente Jair Bolsonaro, na manhã desta segunda-feira.

O posicionamento da AMB seria uma resposta a um pronunciamento da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), que na última sexta-feira defendeu o abandono imediato da hidroxiclorquina no tratamento dos pacientes com coronavírus.

No comunicado, a AMB afirma que o debate científico em torno da cloroquina foi "politizado" e que os estudos que apontam a ineficiência da droga contra a Covid-19 são "inconclusivos", fato que seria "solenemente ignorado por aqueles que parecem torcer pelo coronavírus".

Na última sexta-feira, a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) divulgou uma nota afirmando que o uso de hidroxicloroquina deve ser abandonado em qualquer fase do tratamento de Covid-19. A SBI pede ainda que o Ministério da Saúde reavalie suas orientações de tratamento da doença. Atualmente, a pasta orienta o uso da droga desde o estágio inicial da doença.

A nota da SBI tem como base os resultados de dois estudos realizados em âmbito internacional. Em um deles, realizado em 40 estados americanos e três províncias do Canadá, constatou-se que o uso da cloroquina nos estágios iniciais da doença não teve resultado algum. O estudo comparou pacientes que tomaram o remédio com um grupo que não o fez e constatou que, no grupo que utilizou a droga, não houve melhora do quadro clínico dos pacientes.

"É urgente e necessário que os agentes públicos, incluindo municípios, estados e Ministério da Saúde reavaliem suas orientações de tratamento, não gastando dinheiro público em tratamentos que são comprovadamente ineficazes e que podem causar efeitos colaterais", diz a nota da instituição.