Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.131,73 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,63 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -1,53 (-2,86%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -23,70 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    37.018,29
    0,00 (0,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,26 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +77,00 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,08 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -142,00 (-1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3926
    +0,0791 (+1,25%)
     

Bolsonaro tentou 'sabotar' medidas sanitárias contra a covid-19, diz HRW

·2 minuto de leitura
O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro tentou "sabotar" as medidas sanitárias para conter a propagação da covid-19 no Brasil, denunciou nesta quarta-feira (13) a ONG Human Rights Watch (HRW) em seu relatório anual.

O Brasil é o segundo país mais enlutado pela pandemia, com 204.690 mortos e mais de 8,1 milhões de contágios, atrás apenas dos Estados Unidos.

Segundo a HRW, Bolsonaro "tentou sabotar as medidas de saúde pública" destinadas a conter o vírus, mas se deparou com a oposição do "Supremo Tribunal Federal, do Congresso e dos governadores", que "implementaram medidas políticas para proteger os brasileiros".

Em seu relatório, a ONG esmiúça as iniciativas do presidente para minimizar os estragos da pandemia, de se negar a adotar medidas de proteção para si e seu entorno a difundir "informação equivocada" e tentar "impedir que os estados impusessem normas de distanciamento social". 

A organização também lembra que Bolsonaro "demitiu seu ministro da Saúde por defender as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS)", e que seu substituto renunciou por divergir do presidente no apoio ao uso da hidroxicloroquina, um medicamento sem eficácia comprovada no tratamento da doença.

O HRW diz, ainda, que os brasileiros negros têm "maior probabilidade" de sofrer os sintomas indicativos da covid-19 e morrer em um hospital do que "os membros de outros grupos raciais", já que, segundo especialistas, a taxa de emprego informal é superior nesta população, o que a impede de trabalhar de casa.

As comunidades indígenas são "particularmente vulneráveis às complicações derivadas" da covid-19, devido ao acesso deficiente a serviços sanitários  à prevalência de doenças respiratórias, advertiu a ONG.

Além disso, quando o Congresso aprovou, em junho, um projeto de lei obrigando o governo a fornecer serviços sanitários de emergência e outros tipos de assistência para ajudar os povos indígenas a enfrentar a pandemia, Bolsonaro vetou parcialmente o projeto. O Congresso, em seguida, anulou o veto presidencial.

Neste sentido, a HRW lembrou, ainda, que o STF ordenou ao governo que elaborasse "um plano para lutar contra a propagação da covid-19 em territórios indígenas".

A organização insiste na situação das prisões e em centros de detenção juvenil no país, onde "a superlotação, a má ventilação e os serviços de saúde inadequados" geram condições muito propícias para surtos da doença.

es/mar/mvv