Mercado abrirá em 8 h 6 min
  • BOVESPA

    119.299,83
    +864,50 (+0,73%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.060,09
    -658,14 (-1,47%)
     
  • PETROLEO CRU

    57,79
    -0,45 (-0,77%)
     
  • OURO

    1.821,50
    -5,30 (-0,29%)
     
  • BTC-USD

    47.500,32
    +2.794,27 (+6,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    960,41
    +47,86 (+5,25%)
     
  • S&P500

    3.916,38
    +6,50 (+0,17%)
     
  • DOW JONES

    31.430,70
    -7,10 (-0,02%)
     
  • FTSE

    6.528,72
    +4,36 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    30.173,57
    +134,85 (+0,45%)
     
  • NIKKEI

    29.480,16
    -82,77 (-0,28%)
     
  • NASDAQ

    13.713,75
    -15,25 (-0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5042
    -0,0074 (-0,11%)
     

Bolsonaro sinaliza volta do auxílio emergencial, por mais 3 ou 4 meses, a partir de março

Redação Notícias
·3 minuto de leitura
Brazilian President Jair Bolsonaro gestures as he speaks during a press conference on a new fuel tax policy at Planalto Palace in Brasilia on February 5, 2021. (Photo by EVARISTO SA / AFP) (Photo by EVARISTO SA/AFP via Getty Images)
Bolsonaro destacou, no entanto, que a sua prorrogação indefinidamente poderá impactar negativamente a economia do país. (Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sinalizou que deve estender o auxílio emergencial por mais "três ou quatro meses" e que deve retomar a partir de março o pagamento do benefício, criado como medida de enfrentamento à crise desencadeada pela pandemia da Covid-19.

As declarações foram dadas nesta quinta-feira (11) em entrevista após uma cerimônia de entrega de títulos de posse a agricultores de Alcântara, no Maranhão, cidade que abriga a base de lançamento de foguetes da Força Aérea Brasileira.

Leia também

"Temos previsto [o auxílio] ainda para mais Três a quatro meses, está sendo acertado com o Executivo e o Parlamento também porque temos que ter responsabilidade fiscal".

Em seu discurso na cerimônia, Bolsonaro voltou a destacar o caráter temporário do benefício e destacou que a sua prorrogação indefinidamente poderá impactar negativamente a economia do país.

"O nome é emergencial. Não pode ser eterno porque isso representa um endividamento muito grande do nosso país. E ninguém quer o país quebrado. E sabemos que o povo quer é trabalho", disse.

O presidente ainda disse que, sozinho, o auxílio emergencial não é suficiente para garantir a retomada da economia brasileira. Por isso, voltou a criticar medidas restritivas adotadas por estados e municípios durante a pandemia que incluam o fechamento do comércio.

"Tem que acabar com essa história de fecha tudo. Devemos cuidar dos mais idosos agora o resto tem que trabalhar. Caso contrário, o Brasil pode perder crédito e a inflação vem".

A declaração do presidente está em sintonia com o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL). Nesta quarta-feira (10), ele defendeu mais uma rodada do auxílio emergencial para atender à população vulnerável afetada pela pandemia do novo coronavírus.

"R$ 200, R$ 300 por mês fazem muita diferença na vida daquela pessoa que está fora de qualquer cadastro único, à margem de todo o processo", disse em entrevista ao programa Ponto a Ponto (BandNews), apresentado pela colunista da Folha, Mônica Bergamo, e pelo cientista político Antonio Lavareda.

Segundo o deputado Arthur Lira, o auxílio deve ser destinado para alimentação da "população carente que está muito sofrida".

Nesta quinta, na cerimônia de entrega dos títulos de propriedade a agricultoresno Maranhão, o presidente Jair Bolsonaro ainda destacou as parcerias entre o Brasil e os Estados Unidos, incluindo a que prevê o uso comercial pelos norte-americanos da base de Alcântara, firmado ainda na gestão de Donald Trump.

"O povo americano, eles são voltados para o interesse da nação. Muda governo, mas pouca coisa muda. Acredito que todos os acordos que assinamos com o governo Trump serão mantidos no governo Biden", disse o presidente, em entrevista à imprensa após a cerimônia.

O presidente também disse que o cardo, que vai permitir o uso comercial da base pelos norte-americanos, vai incrementar a economia da região. "Isso aqui é comércio para bilhões e bilhões de dólares. E nós estamos entrando agora nesse seleto grupo que trata de lançamentos [de foguetes]. Tudo que fazemos no Brasil tem um passado, tem um meio e tem um fim."