Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.101,99
    +1.088,52 (+1,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.508,35
    -314,88 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,29
    -0,61 (-0,70%)
     
  • OURO

    1.840,30
    -2,30 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    40.889,28
    -950,82 (-2,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    992,43
    -2,83 (-0,28%)
     
  • S&P500

    4.482,73
    -50,03 (-1,10%)
     
  • DOW JONES

    34.715,39
    -313,26 (-0,89%)
     
  • FTSE

    7.585,01
    -4,65 (-0,06%)
     
  • HANG SENG

    24.952,35
    +824,50 (+3,42%)
     
  • NIKKEI

    27.772,93
    +305,70 (+1,11%)
     
  • NASDAQ

    14.714,00
    -127,00 (-0,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1301
    -0,0373 (-0,60%)
     

Bolsonaro sanciona texto da BR do Mar

·1 min de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro sancionou o projeto de lei que institui o Programa de Estímulo ao Transporte por Cabotagem (BR do Mar), informou a Secretaria-Geral da Presidência nesta segunda-feira, uma medida fortemente criticada por caminhoneiros que temem perder fretes para o setor de navegação.

A navegação de cabotagem tem como característica o transporte entre portos de um país e até a sanção do projeto apenas empresas brasileira com navios próprios podiam operar no setor, reduzindo a competitividade do modal frente o rodoviário.

Apesar disso, a secretaria afirmou em comunicado à imprensa que a lei da BR do Mar não vai implicar em perdas para os caminhoneiros "cujos serviços continuarão sendo necessários para transportar as mercadorias destinadas ou oriundas dos portos". Segundo a secretaria, esse transporte seria feito em "trechos menores e mais rentáveis" aos caminhoneiros.

"O projeto objetiva promover a entrada de novas empresas de transporte de cargas na ligação entre portos", afirmou a secretaria. "A iniciativa pretende incrementar a oferta e a qualidade do transporte por cabotagem, estimular a concorrência, incentivar a competitividade, aumentar a disponibilidade de frota no território nacional", acrescentou.

Segundo a secretaria, a medida permite que as empresas possam atuar sem terem frota própria de embarcações mediante fretamento de navios da Empresa Brasileira de Investimento na Navegação (EBN-i).

A secretaria afirmou que Bolsonaro vetou dispositivo que determinava obrigação de empresas de cabotagem terem tripulação composta por, no mínimo, dois terços de brasileiros "em cada nível técnico do oficialato, incluídos os graduados ou subalternos, e em cada ramo de atividade, incluídos o convés e as máquinas, de caráter contínuo".

(Por Alberto Alerigi Jr)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos