Mercado fechará em 25 mins
  • BOVESPA

    121.584,32
    +1.663,71 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,07
    +284,16 (+0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,80
    +0,09 (+0,14%)
     
  • OURO

    1.832,50
    +16,80 (+0,93%)
     
  • BTC-USD

    57.514,01
    +1.719,91 (+3,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.487,09
    +51,31 (+3,57%)
     
  • S&P500

    4.235,70
    +34,08 (+0,81%)
     
  • DOW JONES

    34.800,83
    +252,30 (+0,73%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.741,00
    +143,25 (+1,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3511
    -0,0155 (-0,24%)
     

Bolsonaro sanciona projeto que destravou impasse sobre Orçamento

BERNARDO CARAM
·3 minuto de leitura
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 31.03.2021 - Presidente Jair Bolsonaro durante anúncio do novo auxílio emergencial, no Palácio do Planalto, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 31.03.2021 - Presidente Jair Bolsonaro durante anúncio do novo auxílio emergencial, no Palácio do Planalto, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sancionou nesta quarta-feira (21) o projeto aprovado pelo Congresso nesta semana para resolver o impasse no Orçamento deste ano. O texto retira da meta fiscal o programa de corte de jornada e salários, o Pronampe e gastos emergenciais com saúde, além de facilitar o corte de verbas de ministérios.

Com a decisão, publicada em edição extra do Diário Oficial da União, o governo dá mais um passo para destravar programas emergenciais de enfrentamento à pandemia da Covid-19 que estão bloqueados por falta de recursos.

Com a entrada em vigor da lei, o governo fica autorizado a deixar quase R$ 100 bilhões fora da meta fiscal deste ano --esses recursos também não serão contabilizados no teto de gastos. O montante crescerá à medida em que novas despesas extraordinárias forem liberadas.

O projeto sancionado altera a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) de 2021 e retira da meta de resultado primário os créditos extraordinários voltados às despesas com ações e serviços públicos de saúde, desde que identificadas em categoria de enfrentamento à pandemia de Covid-19.

Também ficam excluídos da meta os gastos com o Pronampe (Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte) e o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, que permite corte de jornada e salário de trabalhadores.

Essas ações, liberadas por meio de crédito extraordinário, já estariam fora do teto de gastos, regra que limita as despesas do governo à variação da inflação. No entanto, sem a lei sancionada nesta quarta, elas ainda contariam na meta --compromisso feito pelo governo para evitar crescimento da dívida pública que corresponde à diferença entre receitas e despesas primárias, exceto gasto com juros.

Em outro dispositivo elaborado para resolver o impasse sobre o Orçamento, o governo terá maior liberdade para remanejar recursos, sem a necessidade de validação do Congresso para fazer certas movimentações de verba. Ele poderá cortar por decreto despesas discricionárias --aquelas voltadas ao custeio da máquina pública e investimentos-- para recompor gastos obrigatórios, como aposentadorias e outros benefícios.

A medida é considerada necessária porque o Orçamento deste ano foi aprovado com despesas obrigatórias subestimadas. A equipe econômica vinha defendendo a necessidade de recomposição dessas rubricas. Caso contrário, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) estaria sujeito a cometer crime de responsabilidade e ficaria vulnerável à abertura de um processo de impeachment, na avaliação do time de Guedes.

Com o acordo, o governo afirma que terá espaço para bancar emendas parlamentares, verbas para obras e projetos indicados por deputados e senadores.

Agora, Bolsonaro ainda precisa sancionar com vetos a LOA (Lei Orçamentária Anual), que é o Orçamento propriamente dito. O prazo para sanção vence nesta quinta-feira (22).

De acordo com o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), a engenharia do acordo permitirá que o governo corte, inicialmente, R$ 10,5 bilhões em emendas parlamentares indicadas pelo relator. Restarão R$ 18 bilhões nessa conta, mas apenas R$ 16,5 bilhões estarão garantidos. O restante (R$ 1,5 bilhão) só seria pago se o governo encontrar dinheiro ao longo do ano.

Segundo o senador, outros R$ 9,5 bilhões de despesas discricionárias serão cortados imediatamente para ajudar a recompor os gastos obrigatórios.

Além disso, o governo ficará livre para bloquear mais R$ 9 bilhões posteriormente em verbas de ministérios se ficar confirmado que não haverá espaço no Orçamento.

A meta fiscal estabelecida para este ano é de déficit de R$ 247 bilhões. Com o acordo, o número fica inalterado e as contas do governo serão separadas em duas. O Orçamento tradicional segue com as normas fiscais, enquanto os gastos com a pandemia ficarão fora do teto e da meta.

Ao sancionar o texto que altera a LDO, Bolsonaro vetou um dispositivo que buscava autorizar municípios com até 50 mil habitantes a receberem transferências voluntárias de recursos por meio de convênios mesmo que estivessem inadimplentes em cadastros de informações financeiras, contábeis e fiscais.

"[A medida] acaba por contrariar o interesse público por subtrair, imotivadamente, relevante medida de finança pública voltada para a responsabilidade na gestão fiscal, nos termos da Lei de Responsabilidade Fiscal", disse o presidente na justificativa do veto.