Mercado abrirá em 58 mins
  • BOVESPA

    110.140,64
    -1.932,91 (-1,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.874,91
    -1.144,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,84
    -0,04 (-0,05%)
     
  • OURO

    1.924,90
    -5,90 (-0,31%)
     
  • BTC-USD

    23.438,86
    -359,37 (-1,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,31
    -10,01 (-1,84%)
     
  • S&P500

    4.179,76
    +60,55 (+1,47%)
     
  • DOW JONES

    34.053,94
    -39,02 (-0,11%)
     
  • FTSE

    7.834,95
    +14,79 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.648,00
    -198,75 (-1,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5019
    +0,0122 (+0,22%)
     

Bolsonaro sanciona com vetos lei que autoriza privados na exploração de minérios nucleares

Visão geral de Angra 2

SÃO PAULO (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro sancionou nesta sexta-feira, com vetos, um projeto de lei que permite maior participação do setor privado no segmento de minérios nucleares e altera regras associadas à estatal Indústrias Nucleares do Brasil (INB).

A nova lei autoriza a atuação da iniciativa privada na pesquisa e lavra de minérios nucleares, mas mantém o monopólio da atividade com a INB, conforme previsto na Constituição.

O texto também permite que a INB comercialize serviços e produtos com entidades nacionais e estrangeiras, públicas ou privadas, no país ou no exterior e dispõe sobre a função que a INB desempenhará nos estudos de viabilidade técnica e econômica para a definição da forma de aproveitamento dos recursos minerais nucleares.

O projeto de lei provém da medida provisória nº 1.133, que foi editada com o objetivo de dinamizar a atividade de extração de minérios nucleares no Brasil, de modo a incentivar a atração de investimentos privados e de prover maior segurança jurídica a essas atividades.

Foram vetados pelo presidente os trechos da proposta aprovada no Congresso que condicionavam a exportação de minérios nucleares pela INB à aprovação do ministro de Minas e Energia e que alteravam a estrutura da Agência Nacional de Mineração (ANM) para criar cargos em comissão.

No caso do primeiro veto, a secretaria-geral da presidência afirmou, em nota, que "a medida contrariava o interesse público, pois condicionava atos materiais de exportação à aprovação do Ministro de Minas e Energia e do Congresso Nacional, o que poderia dificultar o exercício e a expansão da atividade de exploração de minérios nucleares no Brasil".

Já no caso da ANM, alegou que a criação de cargos comissionados incorreria em vício e inconstitucionalidade, além de contrariar o interesse público.

(Por Letícia Fucuchima)