Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    41.796,79
    +391,76 (+0,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Bolsonaro rejeita volta do horário de verão, mas empresários dizem que não vão recuar

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O movimento de donos de bares, restaurantes e negócios turísticos que pedem a volta do horário de verão não recuou após Bolsonaro dizer, na terça (6), que é contra porque “mexe no relógio biológico”. Eles reúnem estudos para argumentar que ajudaria o setor, um dos mais afetados na pandemia. “Estamos tentando dialogar sem onerar estado. Tem isso desde 1930, e nunca matou ninguém. Teimosia tem de ser contestada com números”, diz Fábio Aguayo, diretor da CNTur, entidade do setor.

Aguayo afirma que o horário de verão permite aproveitar a luz do dia por mais tempo, expandindo o horário de happy hours e de parques turísticos. O que mexe com o comportamento biológico, diz ele, são sequelas da Covid, e não mudança no relógio.

O presidente precisa entender que o setor está falido, afirma Aguayo. “Pronampe e dinheiro que vão liberar não é suficiente. As pessoas não querem viver de esmola de governo. Elas querem ter espaço para trabalhar”, diz.

Como observou um empresário do ramo, o timing é interessante: nesta quarta (7), Doria, adversário político de Bolsonaro, em uma espécie de bandeira branca para donos de bares e restaurantes, anunciou a ampliação do funcionamento para até as 23h, enquanto o presidente embarca no conflito com o setor.

Para Paulo Solmucci, presidente da Abrasel, associação de bares e restaurantes, que também assinou o pedido enviado ao governo, Bolsonaro deveria rever sua posição. “Tem um fator socioeconômico que é o setor arrebentado. Para nós, faz diferença,” diz.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos