Mercado abrirá em 4 h 41 min
  • BOVESPA

    130.091,08
    -116,88 (-0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.908,18
    -121,36 (-0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,46
    +0,34 (+0,47%)
     
  • OURO

    1.861,80
    +5,40 (+0,29%)
     
  • BTC-USD

    40.187,55
    -150,52 (-0,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    999,97
    -10,64 (-1,05%)
     
  • S&P500

    4.246,59
    -8,56 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    34.299,33
    -94,42 (-0,27%)
     
  • FTSE

    7.183,41
    +10,93 (+0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.430,10
    -208,43 (-0,73%)
     
  • NIKKEI

    29.291,01
    -150,29 (-0,51%)
     
  • NASDAQ

    14.040,50
    +10,25 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1160
    -0,0019 (-0,03%)
     

Bolsonaro reitera que indicará nome "terrivelmente evangélico" ao STF

·2 minuto de leitura

O presidente Jair Bolsonaro voltou neste sábado a afirmar que nomeará um nome "terrivelmente evangélico" para a cadeira no Supremo Tribunal Federal que ficará vaga em julho com a aposentadoria do ministro Marco Aurélio Mello.

A um grupo de apoiadores evangélicos no Palácio da Alvorada, Bolsonaro voltou também a defender a hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19. O remédio, indicado para malária e doenças autoimunes, já se mostrou ineficaz contra a Covid-19 em estudo científico.

"Quem indica vagas pro Supremo Tribunal Federal passa por mim. A palavra final não é minha, é do Senado, tem uma sabatina lá. Mas vocês sabem que o dia 5 de julho, 4 de julho, vai ter um terrivelmente evangélico", disse Bolsonaro na conversa, transmitida ao vivo em sua conta no Facebook.

"Tem um cotado aí, por enquanto é ele, mas não tá batido o martelo ainda", disse o presidente.

Um dos nomes cotados para ser nomeado por Bolsonaro a uma vaga na corte é o do ministro-chefe da Advocacia-Geral da União, André Mendonça, que também é pastor da Igreja Presbiteriana Esperança em Brasília.

Bolsonaro criticou o foco da CPI da Covid no Senado sobre a hidroxicloroquina e disse que fará um vídeo com ministros para defender o uso do medicamento contra a Covid.

"A gente vai fazer nesta semana um vídeo com os 22 ministros e todos que tomaram hidroxicloroquina vão dizer: 'eu tomei'", disse aos apoiadores.

Sem usar máscara, o presidente criticou ainda a indústria farmacêutica e disse que será o último brasileiro a tomar uma vacina contra a Covid-19.

"A indústria farmacêutica como regra visa o dinheiro e remédio barato não tem vez. Estamos aí com a vacina, ela está sendo aplicada no Brasil. Eu vou ser o último a tomar."

Apesar das recomendações, inclusive do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, para evitar aglomerações para conter a disseminação do coronavírus, Bolsonaro ficou mais de 27 minutos falando aos apoiadores.

No domingo, Dia das Mães, o presidente disse que fará um passeio de motocicleta por Brasília.

(Por Eduardo Simões)