Mercado abrirá em 5 h 4 min
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.220,83 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,61 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,62
    +1,12 (+1,82%)
     
  • OURO

    1.755,00
    +26,20 (+1,52%)
     
  • BTC-USD

    46.105,43
    +1.406,88 (+3,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    921,10
    -12,04 (-1,29%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,63 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    29.445,12
    +464,91 (+1,60%)
     
  • NIKKEI

    29.663,50
    +697,49 (+2,41%)
     
  • NASDAQ

    13.117,50
    +206,50 (+1,60%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7574
    -0,0009 (-0,01%)
     

Bolsonaro reclama por não receber fotos no Facebook, mas usa configuração que impede

AMANDA LEMOS
·3 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  05-02-2021 - O presidente Jair Bolsonaro. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 05-02-2021 - O presidente Jair Bolsonaro. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tem o recurso de envio de fotos por comentários desativada em seu Facebook.

Desde sexta-feira (12), Bolsonaro vem fazendo críticas ao Facebook, alegando censura. Nesta segunda-feira (15), criticou a rede social e defendeu o aumento da tributação das big techs no país.

"Agora deixa o povo se libertar, porque tem liberdade. Logicamente que se alguém extrapolar alguma coisa, tem a Justiça para recorrer. Agora o Facebook bloquear a mim e a população é inacreditável [...] E não há uma reação da própria mídia, ela se cala. Falam tanto da liberdade de expressão para eles em grande parte mentir com matérias. Agora para a população é uma censura que não se admite", completou, em vídeo transmitido numa rede social de seu filho, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

"Os combustíveis continuam aí demonstrando uma nuvem muito carregada no horizonte, vamos resolver esse problema. Obrigado quem mandou [foto de] nota fiscal [de abastecimento] para mim por outros meios, já que o Facebook bloqueou. Vamos ver, já liguei para a AGU [Advocacia-Geral da União] para ver o que a gente pode fazer."

Bolsonaro fez referência a postagem em sua página na sexta, em que pediu aos seguidores que abastecesem seus carros com R$ 100 e que postassem nos comentários a nota fiscal. O objetivo do presidente era questionar o ICMS dos combustíveis cobrado pelos estados.

Seguidores começaram a fazer reclamações de que não conseguiam anexar imagens nos comentários. Em seguinda, Bolsonaro compartilhou uma notícia sobre a redução de conteúdos relacionados a política na rede social.

A medida, que está em fase de teste no Brasil, Canadá e Indonésia, entrou vigor na semana passada, e será aplicada nos EUA nas próximas semanas. Segundo o comunidado do Facebook, está sendo reduzido temporariamente a distribuição apenas no feed de notícias e para uma pequena porcentagem de usuários.

A medida não tem relação com a publicação ou não de fotos no perfil do presidente por internautas.

Com a mudança, o objetivo da big tech é "preservar a capacidade das pessoas de encontrar e interagir com conteúdo político no Facebook, respeitando o interesse de cada uma delas sobre o que desejam ver no topo de seu feed", diz a postagem no blog do Facebook.

Procurado, o Facebook não quis comentar as afirmações do presidente.

A reportagem fez testes em diferentes computadores e em outras páginas que estão autorizadas a postagem de imagens nos comentários. No padrão do Facebook em páginas com todas as funções autorizadas, aparecem quatro ícones: inserir emoji, anexar foto ou vídeo, comentar com um GIF ou publicar uma figurinha. Na fanpage do presidente, a função "anexar foto ou vídeo" não aparece.

Segundo a central de ajuda do Facebook, isso pode ser desabilitado no painel de configurações, onde o administrador pode controlar o que os visitantes podem publicar na página. Se o usuário permite que visitantes publiquem, pode optar por: permitir publicação de fotos e de vídeos ou analisar as publicações de outras pessoas antes de elas aparecerem na página.

O Planalto não respondeu a um pedido de comentário até a publicação deste texto.