Mercado abrirá em 4 h 19 min

Bolsonaro recebe secretário de educação do PR, cotado para o comando do MEC

Bolsonaro recebe secretário de educação do Paraná, Renato Feder, indicado para o cargo de ministro da Educação (Photo by Andressa Anholete/Getty Images)

Indicado para o Ministério da Educação pelos partidos do chamado Centrão, o secretário estadual de educação do Paraná, Renato Feder, tem um encontro marcado com o presidente Jair Bolsonaro, nesta terça-feira (23). A expectativa é que o presidente possa conhecer melhor Feder antes de anunciar a escolha.

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

As negociações para levar Feder ao cargo foram capitaneadas pelo governador do Paraná, Ratinho Júnior (PSD). Segundo aliados, o nome teria sido uma sugestão do ministro das Comunicações, Fábio Faria (PSD).

Leia também

Feder tem o apoio também da ala militar do governo, que busca um nome técnico e distante de polêmicas para comandar a pasta. 

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

O secretário de Educação paranaense, além da experiência na gestão estadual, foi professor, diretor de escola e tinha uma organização não-governamental na área de educação. A indicação também visa a agradar a comunidade judaica.

Feder ainda é defensor do modelo de escolas cívico-militares, uma das principais plataformas do presidente Jair Bolsonaro na área da educação.

O governador do Paraná já teria avisado ao Planalto que dá sinal verde para o governo levar o seu secretário.

Na última quinta-feira (18), o ex-ministro Abraham Weintraub deixou o comando da pasta em meio a investigações do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre declarações dele em defesa da prisão de ministros da Corte e também suposto crime de racismo cometido contra a população chinesa.

CENTRÃO

As negociações envolvendo o nome de Renato Feder, por outro lado, desagradaram presidentes e líderes partidários do centrão. Apesar de o presidente Jair Bolsonaro afirmar que Fábio Faria foi uma indicação pessoal, o fato é que o PSD passará a controlar dois ministérios.

O PP já comanda o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), que tem um orçamento de R$ 54 bilhões para este ano, além de ter uma diretoria. O PL indicou um diretor do órgão. Hoje o fundo tem grande preponderância no orçamento da pasta e até na formulação de políticas públicas.

Políticos do PP, PL e Republicanos já avisaram que vão buscar mais espaço no governo, reivindicando inclusive cargo de ministro. Até agora, esses aliados assumiram secretarias e presidências e diretorias de estatais.

Presidente do Republicanos, Marcos Pereira (SP), por exemplo, já sinalizou interesse em voltar a comandar o extinto Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, área que hoje está sob comando do ministro da Economia, Paulo Guedes.

Já o cargo de ministro da Saúde é visto, no momento, com cautela por políticos do centrão, que acham que não vale a pena o desgaste por conta da pandemia do coronavírus.


Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.