Mercado abrirá em 2 h 51 min
  • BOVESPA

    108.402,27
    +1.930,27 (+1,81%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.354,86
    +631,46 (+1,35%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,05
    -0,71 (-0,78%)
     
  • OURO

    1.806,70
    +1,50 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    23.513,55
    -593,35 (-2,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    547,94
    +5,07 (+0,93%)
     
  • S&P500

    4.140,06
    -5,13 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    32.832,54
    +29,04 (+0,09%)
     
  • FTSE

    7.486,28
    +3,91 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    20.003,44
    -42,33 (-0,21%)
     
  • NIKKEI

    27.999,96
    -249,28 (-0,88%)
     
  • NASDAQ

    13.166,50
    -16,75 (-0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2337
    +0,0243 (+0,47%)
     

Bolsonaro veta lei que permite negociação de dívida para MEIs

·3 min de leitura
(Photo by Marcelo Goncalves/Anadolu Agency via Getty Images)
(Photo by Marcelo Goncalves/Anadolu Agency via Getty Images)
  • Projeto usaria o Refis para regularizar dívidas de MEIs, micro e pequenas empresas

  • Deputado federal, Marco Bertaiolli, afirma que projeto é necessário para retomada econômica

  • Governo estuda oferecer condições de renegociação através da transação tributária

O presidente Jair Bolsonaro vetou um projeto que permitiria a renegociação de dívidas para empresas que se enquadram no Simples Nacional. O veto foi publicado no "Diário Oficial da União" nesta sexta-feira (7).

Bolsonaro justificou que a proposta incorre em vício de inconstitucionalidade e contrariedade ao interesse público, uma vez que implicaria em renúncia de receita.

O que é o Simples Nacional

O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado que simplifica o recolhimento das contribuições de micro e pequenas empresas, além de microempreendedores individuais.

O projeto, que já foi aprovado no Congresso no fim do ano passado, permitiria que micro e pequenos empreendedores pudessem renegociar R$ 50 bilhões em dívidas.

A negociação se daria através do Refis, Programa de Recuperação Fiscal criado em 2000 cujo objetivo é regularizar os créditos da União decorrentes de dívidas de pessoas jurídicas, relativos a tributos e contribuições não pagas.

É por conta disto que a equipe econômica do governo federal quer vetar o projeto. O Regis demanda uma compensação financeira que precisa vir de outras fontes de recursos, o que não há neste caso.

O que era o projeto

O projeto beneficiaria empresas que estivessem passando por recuperação judicial. As empresas poderiam dar uma entrada em até oito vezes. O valor da entrada variava de acordo com a queda de faturamento.

O prazo para pagamento era de 180 meses após o pagamento da entrada. As parcelas teriam vencimento entre o último dia do mês seguinte à publicação da lei e o último dia do oitavo mês após a publicação.

Os descontos poderiam chegar a 90% nas multas e nos juros e a 100% nos encargos legais a depender das perdas das empresas no ano passado.

Leia também:

Para o deputado federal Marco Bertaiolli (PSD-SP), relator deste projeto na Câmara e coordenador-geral da Frente Parlamentar do Empreendedorismo (FPE), o veto ao projeto resultará em uma maior lentidão na recuperação econômica.

"Em um momento de alta no desemprego, uma inflação que diminui a quantidade de comida na mesa dos brasileiros, manter as empresas no sufoco só agravaria esse quadro. Os microempresários não têm as mesmas condições das grandes empresas, e precisam de ajuda para reverter quase dois anos de prejuízos em suas atividades", disse.

O Ministério da Economia, no entanto, estuda uma outra alternativa ao projeto, através de uma transação tributária destinada às empresas impactadas pela COVID-19.

A transação tributária é um mecanismo criado em 1966 e relativamente esquecido até então, tendo sido revitalizado em outubro de 2019.

Ele permite a criação de acordos de transação, com descontos e parcelamentos específicos a serem definidos por edital através da Procuradoria e da Receita Federal. Segundo especialistas consultados pelo portal Jota, esse instrumento seria preferencial em relação ao Refis, pois desincentiva a criação do "devedor contumaz". No entanto, dizem, momento único do país pede por medidas mais ágeis, e por ser nova, a transação tributária pode não ser a opção ideal no momento.

Com informações do portal Jota.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos