Mercado fechado

Bolsonaro promete rever norma de queima de maquinário ilegal de garimpeiros

Matheus Schuch

Os garimpeiros foram até a saída do Palácio da Alvorada e também criticaram o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, o chamando de "ativista ambiental" Cobrado por garimpeiros na saída do Palácio da Alvorada, o presidente Jair Bolsonaro prometeu tomar providências sobre a queima de máquinas apreendidas em atividades ilegais de mineração. Nesta terça-feira, representantes da Federação Brasileira da Mineração (Febram) reclamaram do que consideram excessos de agentes da Polícia Federal (PF) e do Ibama em ações de fiscalização em terras do Pará.

Antonio Cruz/ Agência Brasil/Arquivo

“Queimar maquinário, outra história. Hoje vou conversar de novo. Se a máquina chegou lá, ela sai”, disse Bolsonaro. “A gente acerta isso, já dei a dica para vocês. Se entrou, sai”. O presidente já havia se manifestado contra a destruição de equipamentos utilizados de forma ilegal na mineração.

Nesta terça, os garimpeiros criticaram a atuação do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, o chamando de “ativista ambiental”. Pressionado, Bolsonaro perguntou: “Quem é o cara do Ibama que está fazendo isso lá?”. “É o delegado federal de Redenção (município do Sul do Pará)”, respondeu um dos garimpeiros. “Se me derem as informações eu tenho como...”, afirmou o presidente, sem completar a frase.

Na sequência, Bolsonaro foi cobrado sobre a exoneração do coronel Evandro Cunha dos Santos, que ficou uma semana como superintendente regional do Ibama no Pará. A demissão, em setembro deste ano, ocorreu após ele criticar em audiência pública as operações feitas pelos fiscais do órgão ambiental. “Ele repetiu aquilo que o senhor falou, que não ia permitir queima de máquinas, e simplesmente ele foi exonerado”, reclamou o presidente da Febram, Gilson Fernandes.

Bolsonaro também prometeu aos garimpeiros retirar da Agência Nacional de Mineração a atribuição de liberar as Permissões de Lavras Garimpeiras (PLGs). "Temos que tirar da agência. Fizeram uma legislação para complicar a vida de vocês e ajudar as grandes mineradoras", disse Bolsonaro, assegurando que irá devolver a responsabilidade sobre a outorga ao Ministério de Minas e Energia.

No final da manhã, os garimpeiros serão recebidos pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e de Minas e Energia, Bento Albuquerque. Bolsonaro prometeu ir à audiência.