Mercado fechará em 4 h 8 min
  • BOVESPA

    113.664,45
    +2.480,50 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.469,63
    +92,16 (+0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,06
    +1,78 (+2,90%)
     
  • OURO

    1.717,10
    +1,30 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    49.744,18
    -1.012,77 (-2,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    997,28
    +10,07 (+1,02%)
     
  • S&P500

    3.825,91
    +6,19 (+0,16%)
     
  • DOW JONES

    31.319,15
    +49,06 (+0,16%)
     
  • FTSE

    6.642,91
    -32,56 (-0,49%)
     
  • HANG SENG

    29.236,79
    -643,63 (-2,15%)
     
  • NIKKEI

    28.930,11
    -628,99 (-2,13%)
     
  • NASDAQ

    12.692,75
    +11,00 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7319
    -0,0468 (-0,69%)
     

Bolsonaro promete que vai vacinar toda população contra Covid-19 em pouco tempo

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Presidente Jair Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro prometeu, nesta quinta-feira, vacinar toda a população brasileira contra a Covid-19 "em um curto espaço de tempo", mas não deu prazos nem comentou o fato do Brasil ter em mãos, até o momento, apenas cerca de 13 milhões de doses de vacinas liberadas.

"A Europa e alguns países aqui da América do Sul não tem vacina. E nós sabemos que a procura é muito grande. Nós assinamos convênios, fizemos contratos e compromissos, desde setembro do ano passado, com vários laboratórios e as vacinas começaram a chegar, e vão chegar, para vacinar toda a população em um curto espaço de tempo", disse em discurso durante um evento em Sergipe.

Na terça-feira (26), o presidente mentiu ao dizer que o Brasil era “o sexto país que mais vacinou no mundo”.

Leia também

O governo brasileiro tem convênios e contratos com a farmacêutica AstraZeneca, por meio da Fundação Oswaldo Cruz, com o mecanismo Covax Facilities, organizado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), e com o Instituto Butantan, relativo à vacina chinesa CoronaVac.

Pelo acerto Fiocruz-AstraZeneca são 100,4 milhões de doses iniciais e, depois de completada a transferência de tecnologia, espera-se que com a produção local se chegue a um total no final do ano de 210 milhões. Pelo mecanismo Covax são 42 milhões de doses, sem data definida. E pelo Butantan são 46 milhões até abril e uma opção de mais 54 milhões depois disso.

Depois de criticar por várias vezes as vacinas, defender um inexistente tratamento precoce e obrigar o Ministério da Saúde a cancelar inicialmente o acordo com o Butantan alegando que a vacina chinesa não era confiável, Bolsonaro mudou o discurso nos últimos dias e tem tentado puxar para si o ganho pelo início da vacinação no país.

O presidente foi convencido por auxiliares que a vacinação em massa é a melhor maneira de retomar o crescimento da economia e tem investido na mudança de discurso e na tentativa de tirar os holofotes do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que vem faturando politicamente o fato de ter assinado o contrato com a Sinovac e ter a primeira vacina disponível no Brasil.

com informações da Reuters