Mercado abrirá em 5 h 16 min
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,98
    +0,23 (+0,38%)
     
  • OURO

    1.731,80
    -1,80 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    49.864,01
    +1.074,55 (+2,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.001,77
    +13,68 (+1,38%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.613,75
    +25,22 (+0,38%)
     
  • HANG SENG

    29.870,71
    +774,85 (+2,66%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.172,00
    +116,75 (+0,89%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8759
    +0,0138 (+0,20%)
     

Bolsonaro promete projeto que muda forma de cobrar ICMS sobre combustíveis e espera ajuda de governadores

·1 minuto de leitura
Presidente Jair Bolsonaro

BRASÍLIA (Reuters) - Em meio a pressão de caminhoneiros e novos aumentos no diesel e na gasolina, o presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira que o governo prepara a apresentação de um projeto de lei que poderá alterar a cobrança do ICMS que incide sobre os combustíveis, mas fez questão de destacar que não quer embates com governadores.

"Nosso projeto de lei aqui diz uma coisa apenas: para regulamentar esta emenda constitucional de 2001 e fazer com que o Confaz (Conselho dos Secretários de Fazenda) decida como vai ser cobrado o ICMS, ou é um valor fixo como nós temos no tocante do PIS/Cofins sobre o litro de cada combustível ou um percentual que vai incidir sobre o preço deste combustível nas refinarias", disse.

Na entrevista ao programa Brasil Urgente, do apresentador José Luiz Datena, Bolsonaro afirmou que a proposta visa evitar a bitributação e ressalvou que ninguém vai perder receita com ela. Disse, porém, não considerar justo que os governadores ganhem receita com o ICMS toda vez que o preço dos combustíveis é elevado.

Segundo o presidente, os governadores são importantes para a solução do problema. Ele defendeu que haja previsibilidade na discussão de eventuais aumentos.

"Não quero de jeito nenhum falar que os governadores são vilões e eu sou o mocinho", disse, moderando o tom mais belicoso de dias anteriores em relação aos governadores.

(Reportagem de Ricardo Brito)