Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,28
    +0,30 (+0,57%)
     
  • OURO

    1.872,00
    +5,50 (+0,29%)
     
  • BTC-USD

    35.016,05
    +616,08 (+1,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    696,42
    -4,19 (-0,60%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.740,39
    +27,44 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    29.962,47
    +320,19 (+1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.523,26
    -110,20 (-0,38%)
     
  • NASDAQ

    13.290,50
    +305,00 (+2,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4087
    -0,0899 (-1,38%)
     

Bolsonaro promete comprar e distribuir vacinas contra Covid-19 aprovadas pela Anvisa

Henrique Gomes Batista e Ivan Martínez-Vargas
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO — O presidente Jair Bolsonaro afirmou na tarde desta quarta-feira em São Paulo que o governo federal vai “comprar e distribuir” vacinas contra a Covid-19 assim que alguns dos imunizantes for aprovado pela Anvisa. Em um encontro com empresários promovido pelo Grupo Voto, o presidente afirmou que essa distribuição será “gratuita e voluntária”.

— Nenhuma vacina ainda completou a terceira fase (de estudos). A vacina, uma vez certificada pela Anvisa, nós compraremos para que a população possa, de forma voluntária e gratuita, receber a aplicação da mesma — disse o presidente.

No evento, Bolsonaro não chegou a mencionar a Coronavac, vacina desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac Biotech e testada pelo Instituto Butantan, ligado ao governo de São Paulo. No fim de outubro, o presidente desautorizou seu ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, que havia firmado um acordo prévio para a compra do imunizante.

Depois disso, Bolsonaro comemorou como uma vitória pessoal a morte de um voluntário da vacina desenvolvida pela parceria entre a empresa chinesa e o governo paulista, de seu desafeto João Doria (PSDB). Um dia depois, a Anvisa, ao receber informações de que a morte não tinha relação com o imunizante, liberou a retomada dos testes.

O governo federal fechou parceria com o imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford (Reino Unido) e a farmacêutica britânica AstraZeneca. No Brasil, a fórmula é testada Brasil em estudo liderado pelo Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). A vacina poderá ser fabricada, em um segundo momento, pela Fiocruz.