Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.456,66
    +97,71 (+0,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Bolsonaro pode pedir a Biden redução de barreiras ao aço brasileiro criadas por Trump

*Arquivo* Funcionário trabalha em forno de siderúrgica em Sete Lagoas (MG). Bolsonaro pode pedir a Biden redução de barreiras ao aço brasileiro criadas por Trump. (Foto: Moacyr Lopes Junior/Folhapress)
*Arquivo* Funcionário trabalha em forno de siderúrgica em Sete Lagoas (MG). Bolsonaro pode pedir a Biden redução de barreiras ao aço brasileiro criadas por Trump. (Foto: Moacyr Lopes Junior/Folhapress)

LOS ANGELES, EUA (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro poderá pedir ao presidente Joe Biden uma redução nas barreiras de importação ao aço brasileiro para os EUA, criadas pelo ex-presidente Donald Trump em 2018. Um dos argumentos para isso é que as medidas atuais acabam beneficiando a Rússia.

Os dois líderes terão uma reunião bilateral durante a Cúpula das Américas, realizada em Los Angeles nesta semana e que reúne delegações de 34 países do continente. A conversa deve ocorrer na tarde de quinta (9).

Como medida protecionista, os EUA criaram uma sobretaxa de 25% ao aço importado, em uma medida chamada de Seção 232. O Brasil, assim como alguns outros países, obteve uma cota de exportação de aço livre desta cobrança, e o pleito agora é que esse limite seja ampliado, extinto ou que o país pague uma alíquota menor, segundo diplomatas brasileiros envolvidos na preparação do encontro.

Um dos produtos mais exportados pelo Brasil são placas de aço semi-acabado, cuja cota atual é de 3,5 milhões de toneladas anuais. A produção dessas placas usa carvão metalúrgico vindo dos EUA. Assim, a ampliação da cota levaria a um aumento de empregos também em estados como a Virgínia, que exporta US$ 400 milhões do material ao Brasil por ano, argumentam negociadores brasileiros.

Diplomatas buscam também apoio de parlamentares democratas para a mudança, que podem ajudar a convencer Biden sobre a alteração. Outro argumento é que a ampliação de exportações brasileiras poderia fazer com que os EUA comprem menos aço da Rússia, que segue como um dos principais fornecedores do material para a indústria americana.

Quando presidente, Trump adotou várias medidas protecionistas para conter importações, sob argumento de que pretendia preservar empregos nos EUA. Biden, há um ano e meio no cargo, ainda mantém várias daquelas medidas em vigor.

No entanto, após a pandemia e a Guerra na Ucrânia, os Estados Unidos passaram a falar em near-shoring, um movimento de trazer para mais perto indústrias e cadeias de produção espalhadas pelo planeta, em um movimento que pode beneficiar a América Latina. O governo americano espera que isso, além de melhorar a economia da região, também ajude a desestimular a migração de latino-americanos rumo aos EUA.

Na terça, o governo americano anunciou que dez empresas americanas farão investimentos totais de US$ 1,9 bilhão em países da América Central. A lista de novos empreendimentos inclui redes de banda larga fixa e de telefonia móvel, expansão de pagamentos digitais, fábricas de roupas e autopeças e plantações de banana e abacate.

Além do aço, a pauta da conversa entre os dois presidentes pode incluir a recuperação econômica pós-pandemia, insegurança alimentar e a crise climática, mas a lista final de tópicos será definida pelos dois. Sobre a reunião, um representante da Casa Branca disse que é notório que há desentendimentos com o governo brasileiro, mas que a conversa deverá ser sincera e direta, já que os países possuem muitos interesses e preocupações em comum.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos