Mercado fechará em 3 h 59 min
  • BOVESPA

    121.313,78
    +607,88 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.241,47
    +412,16 (+0,84%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,07
    +1,25 (+1,96%)
     
  • OURO

    1.839,90
    +15,90 (+0,87%)
     
  • BTC-USD

    51.254,93
    +1.556,86 (+3,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.431,54
    +72,98 (+5,37%)
     
  • S&P500

    4.162,02
    +49,52 (+1,20%)
     
  • DOW JONES

    34.285,77
    +264,32 (+0,78%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.336,50
    +236,25 (+1,80%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3829
    -0,0296 (-0,46%)
     

Bolsonaro parabeniza presidente eleito do Equador e fala em estreitar laços

·1 minuto de leitura
Presidente eleito do Equador, Guillermo Lasso

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro parabenizou nesta segunda-feira o banqueiro Guillermo Lasso, vitorioso no segundo turno na eleição presidencial do Equador da véspera, e falou em estreitar laços com o país sul-americano.

"Cumprimento @LassoGuillermo por sua vitória nas eleições presidenciais no Equador. Estou certo de que estreitaremos ainda mais os laços que unem nossas nações e trabalharemos pela liberdade em nossa região. Felicidades ao povo equatoriano e sucesso ao presidente eleito!", disse Bolsonaro, no Twitter.

Guillermo Lasso obteve uma vitória surpreendente sobre o economista socialista Andrés Arauz no segundo turno, encaminhando o país para a manutenção de políticas de livre mercado, ao invés de uma volta ao socialismo.

A conquista, uma notícia bem-vinda para investidores tensos com as promessas de grandes gastos sociais de Arauz tendo em vista as finanças estatais frágeis, contraria uma tendência latino-americana recente de triunfos eleitorais da esquerda, como na Argentina, na Bolívia e no Chile.

Mas Lasso, que toma posse em 24 de maio, enfrentará a tarefa desafiadora de ressuscitar uma economia letárgica que passa apertos desde o surto brutal de coronavírus do ano passado, que disparou nos últimos meses à medida que os esforços de vacinação travaram.

(Por Ricardo Brito; E)