Mercado abrirá em 9 h 30 min
  • BOVESPA

    122.515,74
    +714,95 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.869,48
    +1,16 (+0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,32
    +0,06 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.813,70
    -8,50 (-0,47%)
     
  • BTC-USD

    38.789,24
    -1.004,88 (-2,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    946,02
    -14,88 (-1,55%)
     
  • S&P500

    4.387,16
    -8,10 (-0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.838,16
    -97,31 (-0,28%)
     
  • FTSE

    7.081,72
    +49,42 (+0,70%)
     
  • HANG SENG

    26.026,45
    -209,35 (-0,80%)
     
  • NIKKEI

    27.559,26
    -221,76 (-0,80%)
     
  • NASDAQ

    14.969,00
    +16,25 (+0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1193
    -0,0248 (-0,40%)
     

Bolsonaro nomeia Alexandre Cordeiro para presidência do Cade

·1 minuto de leitura
***FOTO DE ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, 12.07.2021 - O presidente Jair Bolsonaro fala com a imprensa ao deixar o STF. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, 12.07.2021 - O presidente Jair Bolsonaro fala com a imprensa ao deixar o STF. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro nomeou, na noite desta segunda-feira (12), Alexandre Cordeiro Macedo para a presidência do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

Ele assume um mandato de quatro anos, na vaga aberta por Alexandre Barreto de Souza.

O novo presidente do conselho já ocupava cargo na entidade, como superintendente-geral.

Cordeiro é auditor de carreira da CGU (Controladoria-Geral da União) desde 2006. Graduado em Direito e Economia, é doutorando em Direito Econômica pela Universidade Federal de Minas Gerais.

Ele teve seu nome aprovado pelo Senado em 7 de julho.

O Cade é o órgão responsável por analisar processos de aquisições e fusões de empresas no país.

No início de fevereiro, Cordeiro publicou um artigo na Folha sobre a atuação do Cade na crise da Covid.

"A atuação do Cade no ano em que o mundo parou e os mercados colapsaram resguardou uma política de Estado, demonstrando sua preocupação em evitar a formação de monopólios e oligopólios no pós-crise e assim zelar pela manutenção do bem-estar do consumidor", escreveu.

Na mesma edição extra do Diário Oficial da União, Bolsonaro também oficializou a nomeação de Paulo Roberto Vanderlei Rebello Filho como diretor-presidente da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar).

Em meio a denúncias de irregularidades na contratação de vacinas envolvendo o nome do líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), Bolsonaro chegou a pedir a retirada da indicação de Rebello para o posto. O novo diretor-presidente da ANS havia sido chefe de gabinete de Barros, quando o deputado foi ministro da Saúde do governo Michel Temer.

O Senado, no entanto, ignorou a solicitação do Planalto e aprovou o nome de Rebello.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos