Mercado fechará em 3 h 39 min
  • BOVESPA

    114.146,20
    +2.962,25 (+2,66%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.576,61
    +199,14 (+0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,25
    +2,97 (+4,85%)
     
  • OURO

    1.718,50
    +2,70 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    49.522,37
    -1.152,29 (-2,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    993,25
    +6,04 (+0,61%)
     
  • S&P500

    3.826,04
    +6,32 (+0,17%)
     
  • DOW JONES

    31.323,08
    +52,99 (+0,17%)
     
  • FTSE

    6.653,53
    -21,94 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    29.236,79
    -643,63 (-2,15%)
     
  • NIKKEI

    28.930,11
    -628,99 (-2,13%)
     
  • NASDAQ

    12.710,00
    +28,25 (+0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7194
    -0,0593 (-0,87%)
     

Bolsonaro negocia com dois partidos para disputar reeleição

Colaboradores Yahoo Notícias
·1 minuto de leitura
Brazilian President Jair Bolsonaro gestures as he speaks during a press conference on a new fuel tax policy at Planalto Palace in Brasilia on February 5, 2021. (Photo by EVARISTO SA / AFP) (Photo by EVARISTO SA/AFP via Getty Images)

Jair Bolsonaro se aproxima de dois partidos para disputar a reeleição presidencial em 2022. O chefe do Executivo não está vinculado a nenhuma legenda desde novembro de 2019, quando rompeu com o PSL (Partido Social Liberal), pelo qual se elegeu em 2018.

Segundo informações do jornal O Globo, o presidente está negociando com o Patriota e o PTB (Partido Trabalhista Brasileiro), com muito mais chances para a primeira sigla, pela qual Bolsonaro desistiu de se filiar em janeiro de 2018 para concorrer ao Planalto.

Leia também:

Após deixar o PSL, Bolsonaro tentou criar o Aliança Pelo Brasil, porém encontrou dificuldades para obter o registro junto ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Para poder disputar eleições, o Aliança precisaria ter coletado a assinatura de 491,9 mil eleitores - que devem ter firmas reconhecidas em cartório -, de no mínimo nove estados.

Bolsonaro chegou a se reaproximar do PSL em julho de 2020, porém a suposta reconciliação incomodou o senador Major Olímpio (PSL-SP), que ameaçou abandonar a sigla caso esta perdoasse o presidente.