Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.345,82
    +1.857,94 (+1,71%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.376,89
    -141,41 (-0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,55
    -0,74 (-0,67%)
     
  • OURO

    1.852,30
    +4,50 (+0,24%)
     
  • BTC-USD

    29.115,90
    -1.223,55 (-4,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    658,56
    -16,31 (-2,42%)
     
  • S&P500

    3.973,75
    +72,39 (+1,86%)
     
  • DOW JONES

    31.880,24
    +618,34 (+1,98%)
     
  • FTSE

    7.513,44
    +123,46 (+1,67%)
     
  • HANG SENG

    20.470,06
    -247,18 (-1,19%)
     
  • NIKKEI

    27.001,52
    +262,49 (+0,98%)
     
  • NASDAQ

    11.885,50
    -149,75 (-1,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1363
    -0,0114 (-0,22%)
     

Bolsonaro mostra quarto de R$ 46 mil onde está hospedado

·2 min de leitura
Jair Bolsonaro
Bolsonaro está em um "giro comercial" que inclui Dubai, Bahrein e Catar

(MAZEN MAHDI/AFP via Getty Images)

  • Bolsonaro publica vídeo com detalhes do quarto de hotel em que está acomodado

  • Diária da acomodação chega a R$ 46 mil

  • Valor está sendo pago pelo rei de Bahrein

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) publicou um vídeo nas redes sociais em que mostra os cômodos do quarto de hotel em Bahrein, onde está hospedado. A diária custa US$ 7 mil – equivalentes a cerca de R$ 46 mil -, mas está sendo custeada pelo rei do país.

"Nós sabemos como vive o Brasil. Poderia eu pagar esse hotel aqui sem problema nenhum, quem estaria bancando seria você contribuinte", disse. "Essa despesa aqui vai ser custeada pelo rei do Bahrein [Hamad bin Isa al-Khalifa]", completou.

No vídeo, o presidente mostra os detalhes da acomodação – com sala, quarto, cozinha e escritório - e diz que “é quase do tamanho do apartamento em que morava no Rio de Janeiro”.

Gastos com viagens batem recorde

Caso não fosse custeado pelo rei de Bahrein, o hotel seria pago com o cartão corporativo da Presidência. Na gestão Bolsonaro, os gastos subiram 70%, em comparação a 2018. Somente de janeiro até setembro deste ano, foram mais de R$ 204,8 milhões movimentados, sendo que o valor é 19,9% maior do que o registrado em todo o ano de 2020, que totalizou R$ 170,7 milhões.

"Em um país cuja economia se parece com um carro desgovernado, saber que os gastos aumentaram mesmo com menos cartões corporativos disponíveis é algo que chega a causar espanto", disse Lúcio Big, diretor-presidente do Instituto Observatório Político e Socioambiental (OPS), ao Metrópoles.

Dentre os R$ 204,8 milhões gastos até setembro, a maior parcela corresponde à Presidência, que utilizou 35,5% do valor. Em seguida, aparece o Ministério da Justiça e da Segurança Pública (26,7%) e o Ministério da Economia (10%).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos