Mercado abrirá em 5 h 32 min
  • BOVESPA

    119.371,48
    -690,52 (-0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.092,31
    +224,69 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,04
    +0,61 (+0,99%)
     
  • OURO

    1.784,50
    +2,50 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    49.075,06
    -5.636,75 (-10,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.113,76
    -129,30 (-10,40%)
     
  • S&P500

    4.134,98
    -38,44 (-0,92%)
     
  • DOW JONES

    33.815,90
    -321,41 (-0,94%)
     
  • FTSE

    6.911,59
    -26,65 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.961,46
    +206,12 (+0,72%)
     
  • NIKKEI

    29.020,63
    -167,54 (-0,57%)
     
  • NASDAQ

    13.755,50
    +5,25 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5540
    +0,0124 (+0,19%)
     

Bolsonaro: Lockdown pode levar país a colapso na economia

Redação Finanças
·1 minuto de leitura
"Lamento as mortes, mas temos que olhar para frente", disse Bolsonaro. Crédito: Adriano Machado/Reuters
"Lamento as mortes, mas temos que olhar para frente", disse Bolsonaro. Crédito: Adriano Machado/Reuters

As medidas de lockdown podem levar o país a um colapso na economia, segundo o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Em pronunciamento na TV, ele criticou as novas restrições divulgadas nesta quinta-feira (11) pelo governador João Doria no estado de São Paulo. "Lamento as mortes, mas temos que olhar para frente", disse.

Leia mais:

“Até onde vamos aguentar?", perguntou Bolsonaro. "Lamento as mortes, mas temos que olhar para frente."

A “fase emergencial” foi declarada por Doria nesta quinta-feira em vídeo. “Teremos que adotar medidas ainda mais restritivas de distanciamento social para diminuir a circulação do vírus no estado de São Paulo. É a única forma para tentarmos, neste momento, conter a aceleração das mortes e evitar que tantas famílias sejam devastadas”, disse o governador.

Agora, a previsão é que sejam suspensas as autorizações para cultos religiosos, abertura de escolas e campeonatos esportivos.

Críticas ao DF

O toque de recolher determinado por Ibaneis Rocha (MDB), governador do Distrito Federal, também foi criticado pelo presidente. Durante uma videoconferência com parlamentares da Frente da Micro e Pequena Empresa, Bolsonaro chamou de estado de sítio a determinação de que os moradores do estado não saiam de casa entre 22h e 5h. "Aqui no DF toma-se medida por decreto de estado de sítio. De 22h às 5h da manhã ninguém pode andar. Só eu poderia tomar medida dessa e, assim mesmo, ouvindo o Congresso Nacional. Então, na verdade, medida extrema dessa, só o presidente da República e o Congresso Nacional poderiam tomá-la. E nós vamos deixando isso acontecer”, afirmou.