Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.516,50
    -1.095,15 (-0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.725,79
    +259,77 (+0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,58
    -0,03 (-0,03%)
     
  • OURO

    1.785,60
    -9,40 (-0,52%)
     
  • BTC-USD

    37.078,14
    +1.037,64 (+2,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    841,44
    -1,01 (-0,12%)
     
  • S&P500

    4.358,25
    +31,74 (+0,73%)
     
  • DOW JONES

    34.233,74
    +72,96 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.466,07
    -88,24 (-1,17%)
     
  • HANG SENG

    23.550,08
    -256,92 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    26.717,34
    +547,04 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    14.089,50
    +102,75 (+0,73%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0105
    -0,0135 (-0,22%)
     

Bolsonaro libera participação no Prouni de alunos de escolas privadas sem bolsa

·1 min de leitura

BRASÍLIA — O presidente Jair Bolsonaro editou uma medida provisória (MP) que libera a participação no Programa Universidade Para Todos (Prouni) para alunos de escolas privdas que não tiveram bolsa. Antes, a participação só era permitida para quem estudou em escola pública ou quem teve bolsa integral em instituições particulares.

A MP altera a lei que criou o Prouni, de 2005, e cria diversas novas possibildiades de participação no programa, como para alunos que estudaram parcialmente em escolas públicas e parcialmente em escolas particulares, com bolsa integral, parcial ou nenhuma bolsa.

O texto foi publicado nesta terça-feira no Diário Oficial da União (DOU). Uma medida provisória tem validade imeditada, mas precisa ser aprovada pela Câmara e pelo Senado no prazo de 120 dias. Os parlamentares podem fazer alterações no texto.

De acordo com comunicado da Secretaria-Geral da Presidência, "a iniciativa busca ampliar a abrangência das condições de acesso às bolsas de estudo Prouni, alcançando, assim, estudantes egressos do ensino médio privado que foram pagantes ou bolsistas parciais".

Outra alteração feita pela MP foi a revogação de um artigo da lei de 2005 que determinava que "a instituição de ensino superior (...) somente poderá ser considerada entidade beneficente de assistência social se oferecer, no mínimo, 1 (uma) bolsa de estudo integral para estudante de curso de graduação" para cada nove estudantes pagantes.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos