Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    61.095,40
    -170,58 (-0,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Bolsonaro leva pessoalmente à Câmara projeto de desestatização dos Correios

·1 minuto de leitura
Post office box of brazilian public company: Brazilian Post and Telegraph Company ( in portuguese: Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos). Brasilia, Federal District - Brazil. January, 03, 2021.

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro entregou pessoalmente ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), o projeto de lei de autoria do governo que define o novo marco do setor postal, proposta esta que permite a desestatização dos Correios e a atuação da iniciativa privada na área.

Bolsonaro apresentou a proposta a Lira acompanhado de vários ministros, como os titulares da Economia, Paulo Guedes, e das Comunicações, Fabio Faria.

Leia também:

Segundo nota do Ministério das Comunicações, o texto define obrigatoriedade de se cumprir metas de universalização e qualidade dos serviços. O texto prevê que a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) será a Agência Reguladora dos serviços postais.

"Em paralelo à tramitação do projeto de lei no Congresso, serão realizados os debates e estudos para a definição do melhor modelo de desestatização, que pode ser, por exemplo, a venda direta, a venda do controle majoritário ou de apenas parte da empresa", disse.

"O processo inclui a análise pelo Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) e a participação da sociedade e do mercado por meio de audiências públicas. Por fim, o edital será remetido ao Tribunal de Contas da União (TCU) e liberado para a realização do leilão tão logo seja aprovado pela corte", emendou.

Bolsonaro tem destacado a parceria com os presidentes da Câmara e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), a quem entregou na véspera medida provisória relacionada à privatização da Eletrobras. O Palácio do Planalto atuou pela eleição de ambos para o comando das Casas Legislativas.

(Reportagem de Ricardo Brito)