Mercado abrirá em 1 h 21 min

Bolsonaro indica general Braga Netto para substituir Onyx na Casa Civil

Fabio Murakawa e Matheus Schuch

General é chefe do Estado-Maior do Exército e foi o interventor militar na Segurança Pública do Rio de Janeiro em 2018 O presidente Jair Bolsonaro convidou o general Walter Souza Braga Netto para assumir a Casa Civil no lugar de Onyx Lorenzoni. A informação, veiculada pelo jornal "Folha de S. Paulo", foi confirmada ao Valor por fontes próximas ao presidente. De acordo com fontes, o general aceitou o convite do presidente. Braga Netto, 62 anos, é o chefe do Estado-Maior do Exército.

General Braga Netto

Ailton de Freitas / Agência O Globo

Também está definido, segundo interlocutores da Presidência, que Lorenzoni será deslocado para o Ministério da Cidadania, até agora comandado por Osmar Terra.

General defendeu independência do Exército na eleição

Análise: Bolsonaro tenta resolver conflito que ele criou

Terra foi convocado pelo presidente no final desta tarde para uma reunião no Palácio do Planalto. A sua pasta é responsável, entre outras coisas, pelo Bolsa Família.

Procuradas pelo Valor, as assessorias da Casa Civil e Cidadania ainda não confirmam as mudanças.

Mais cedo, Onyx tinha afastado a possibilidade de assumir o Ministério da Cidadania. "Não, ninguém falou isso", disse, em um evento em Brasília.

Bolsonaro recebeu Osmar Terra hoje no Palácio do Planalto para um almoço junto a voluntários de um programa anti-drogas. Em um vídeo divulgado no Twitter, após a reunião, Terra discursou ao lado do presidente.

"Devemos muito ao presidente Bolsonaro, que é o nosso patrono aí, que nos inspira para continuar esse trabalho. Só ele, e eu conheço a política brasileira há muitos anos, há décadas, só ele teve coragem de fazer o que foi feito até agora", disse Terra, em relação ao programa contra o uso de drogas.

Initial plugin text

Onyx

O presidente Bolsonaro e seu entorno mais próximo vinham nos últimos dias trabalhando em um nome para substituir Onyx, que entrou em rota de colisão com alguns dos principais auxiliares do presidente.

Fontes afirmam que havia desavenças entre ele e Paulo Guedes (Economia). O clima também não é bom com o ministro Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo (Segov). Pesou também a insatisfação de Bolsonaro com Onyx em sua tarefa de fazer a articulação entre os ministérios.

Em meados do ano passado, Bolsonaro transmitiu a articulação política da Casa Civil para a Segov. Ramos assumiu a pasta já como articulador político do governo, o que causou mal estar com Onyx.

À medida em que Onyx se enfraquecia, Ramos se tornava um dos ministros mais próximos do presidente. O Valor apurou que Ramos foi um dos principais conselheiros de Bolsonaro na troca da Casa Civil.

Enquanto pensava em um substituto para Onyx, Bolsonaro também avaliava um destino para o ministro, que foi um dos primeiros a acreditar em sua candidatura.