Mercado fechará em 3 h 20 min
  • BOVESPA

    122.011,80
    +130,98 (+0,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.286,23
    +66,97 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,24
    +0,87 (+1,33%)
     
  • OURO

    1.867,30
    +29,20 (+1,59%)
     
  • BTC-USD

    43.141,75
    -4.017,31 (-8,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.191,45
    -6,47 (-0,54%)
     
  • S&P500

    4.157,71
    -16,14 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    34.298,84
    -83,29 (-0,24%)
     
  • FTSE

    7.032,85
    -10,76 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.194,09
    +166,52 (+0,59%)
     
  • NIKKEI

    27.824,83
    -259,67 (-0,92%)
     
  • NASDAQ

    13.240,50
    -146,50 (-1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4006
    -0,0034 (-0,05%)
     

Bolsonaro garante que Orçamento será recomposto em breve

Lisandra Paraguassu
·1 minuto de leitura
Presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia em Brasília

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) - Depois de sancionar o Orçamento de 2021 com um corte de quase 30 bilhões de reais para adequar despesas obrigatórias subdimensionadas, o presidente Jair Bolsonaro prometeu nesta segunda-feira que os valores serão recompostos "em breve".

Ao discursar na Bahia, na inauguração da duplicação de um trecho de 22 quilômetros da rodovia BR-101, o presidente afirmou que os cortes tiveram que ser feitos, mas o Orçamento será recomposto.

"Foi cortado sim, por uma questão técnica, mas com toda certeza, brevemente, pelas vias legais, faremos a recomposição do nosso Orçamento. Porque o Brasil não pode e não vai parar", disse Bolsonaro.

O texto aprovado pelo Congresso, de acordo com técnicos de equipe econômica, subestimou os valores de despesas obrigatórias e a sobra foi realocada para emendas parlamentares, que chegaram a 30 bilhões de reais.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, defendia o veto total ao Orçamento, alegando que a sanção faria com que o presidente incorresse em crime de responsabilidade.

Depois de uma longa negociação, o presidente sancionou o texto na última quinta-feira com cortes de 19,8 bilhões de reais em parte das emendas parlamentares e em parte de programas federais. Outros 9,3 bilhões de reais foram bloqueados --ou seja, podem ser liberados no futuro se a arrecadação federal permitir.