Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.807,66
    +296,91 (+1,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Bolsonaro espera que novo ministro resolva crise dos combustíveis sem intervir no preço

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Integrantes do Ministério da Economia e interlocutores do Palácio do Planalto apostam que o novo ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, conseguirá encontrar uma solução para o problema dos preços dos combustíveis sem precisar intervir na Petrobras.

O presidente Jair Bolsonaro (PL) vem criticando a empresa e o impacto dos aumentos no bolso dos brasileiros. Nesta quarta-feira (11), o Diário Oficial da União trouxe a exoneração de Bento Albuquerque e a substituição por Sachsida.

O novo ministro foi o autor da ideia, por exemplo, de dar uma linha de crédito para caminhoneiros anteciparem valores a serem recebidos pelos fretes. Geralmente, eles são remunerados somente após a conclusão do serviço e, pelo programa, podem antecipar valores em até 120 dias, com juros de 1,79%.

Na Economia, ele foi um entusiasta de microrreformas e mudanças na legislação menos complicadas quando a pasta encontrava obstáculos no Congresso ou até mesmo no Planalto.

A expectativa é que, diante do impasse, Sachsida encontre soluções alternativas. Muito alinhado ao pensamento liberal, não se espera que ele interfira na formação do preço pela Petrobras. Essa avaliação é compartilhada por militares do governo.

Integrantes da equipe econômica avaliam, também, que a ida do ex-secretário da pasta para o ministério facilitará o diálogo e a busca por soluções que respeitem o controle fiscal. Ele era um dos auxiliares mais próximos do ministro Paulo Guedes.

Relatos de assessores do Planalto afirmam que Bolsonaro se irritou com o último reajuste de preços do diesel, de 8,87%.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos