Mercado fechará em 4 h 38 min

Bolsonaro e líderes evangélicos fazem oração em direção ao STF e Congresso

Bolsonaro e pastores evangélicos fizeram orações destinadas ao Congresso e STF. (Foto: Reprodução/Facebook)

O presidente Jair Bolsonaro se reuniu, na tarde desta sexta-feira (5), com líderes e pastores evangélicos no Palácio do Planalto, em Brasília.

No encontro, que contou com a presença do pastor Silas Malafaia e R.R. Soares, Bolsonaro e as lideranças fizeram uma oração com as mãos estendidas aos prédios do STF (Supremo Tribunal Federal) e do Congresso Nacional, alvos recentes das manifestações pró-governo que pediam o fechamento dos dois Poderes.

Leia também

“Vamos aqui fazer algumas orações. Vamos orar pelo Brasil, vamos orar pelo Supremo Tribunal, pelo Congresso Nacional, pelo povo brasileiro e depois uma oração especial para o presidente”, disse Malafaia, na transmissão. “Esse país aqui não vai ser Venezuela, não vai ser destruído por ninguém, não vai falir”, completou o pastor.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

R.R. Soares, fundador da Igreja Internacional da Graça de Deus, pediu em sua prece que “todo o Brasil entre em um acordo” e que “aqueles que são contra o Brasil, respeitem a decisão do povo”.

A oração direcionada ao Supremo foi realizada por Eduardo Bravo, um dos bispos da Universal, e representante no encontro, segundo Malafaia, de Edir Macedo - fundador da Igreja Universal do Reino de Deus e proprietário do Grupo Record e da RecordTV, emissora que tem sido aliada de Bolsonaro.

“Ele (Eduardo Bravo) vai levantar um clamor para o Supremo Tribunal Federal, pelos ministros, a representação maior do Judiciário. Você vai ver as imagens do Supremo, vou pedir para você estender sua mão e orar. Esse é o nosso papel: interceder pelas autoridades constituídas”, explicou Malafaia.

Durante a prece, o bispo contextualizou o atual cenário do país citando a pandemia do novo coronavírus, “crise econômica anunciada”, “guerra entre os Poderes” e “corrupção”.

“Deus, pátria, família. O Brasil tem tudo para ser uma grande nação. Eu acredito em milagre, tive o primeiro em setembro de 2018, e depois em outubro, que foi quase um milagre uma eleição de quem quase nada tinha levando-se em conta a forma tradicional que se fazia política. Nós tínhamos mais do que o povo ao nosso lado, tínhamos aquele que nos colocou na Terra. E mais do que nunca agora, a fé de todos nós conduzirá o Brasil a um porto seguro”, finalizou Bolsonaro.