Mercado abrirá em 6 h 56 min
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,69 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,11 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,67
    +1,41 (+2,13%)
     
  • OURO

    1.782,00
    -1,90 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    49.092,66
    +32,02 (+0,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.263,13
    -178,63 (-12,39%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,72 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.466,39
    -300,30 (-1,26%)
     
  • NIKKEI

    27.936,07
    -93,50 (-0,33%)
     
  • NASDAQ

    15.735,50
    +17,75 (+0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3802
    -0,0151 (-0,24%)
     

Bolsonaro diz que vai prorrogar por dois anos desoneração da folha de pagamento de 17 setores

·1 min de leitura
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 02.09.2021 - O presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia de lançamento das autorizações ferroviárias, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 02.09.2021 - O presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia de lançamento das autorizações ferroviárias, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta quinta-feira (11) que o governo vai prorrogar por dois anos a desoneração da folha de pagamento de 17 setores.

O governo era contrário à medida até este momento. Há um projeto que estende a desoneração até 2026 na Câmara e, por articulação de aliados do Planalto, a proposta não andava.

"Resolvemos prorrogar por mais dois anos a questão da desoneração da folha, inclusive [da] minha querida imprensa. Ninguém ficou de fora, nem vocês [jornalistas]", disse

"Isso tem a ver com a manutenção de emprego. Estamos numa situação de pós-pandemia", continuou o presidente, durante cerimônia no Palácio do Planalto.

A decisão ocorre após reunião com Paulo Guedes (Economia) e Tereza Cristina (Agricultura), com a participação de representantes dos setores.

O governo alegava que não havia espaço orçamentário para a medida.

Em contrapartida à mudança de posição, o presidente pediu apoio dos setores à PEC dos Precatórios, que muda a regra de cálculo do teto de gastos e abre espaço no orçamento do ano que vem.

Aprovada na Câmara, a proposta enfrenta resistência no Senado. O governo precisa dela para pagar o Auxílio Brasil de R$ 400.

A desoneração da folha de pagamentos acabaria no final deste ano. Dentre os setores beneficiados, estão comunicação, indústria têxtil, construção civil, máquinas e transporte rodoviários, entre outros.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos