Mercado fechará em 5 h 9 min
  • BOVESPA

    110.311,07
    -1.228,73 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.803,12
    +120,93 (+0,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,84
    +1,09 (+1,82%)
     
  • OURO

    1.709,60
    -24,00 (-1,38%)
     
  • BTC-USD

    50.756,95
    +1.878,83 (+3,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.013,71
    +25,62 (+2,59%)
     
  • S&P500

    3.866,11
    -4,18 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    31.486,12
    +94,60 (+0,30%)
     
  • FTSE

    6.640,45
    +26,70 (+0,40%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    12.969,00
    -86,25 (-0,66%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9185
    +0,0564 (+0,82%)
     

Bolsonaro diz que "ninguém tá fora" como fornecedora de 5G no país

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro disse neste sábado que não há ainda decisão sobre as empresas que fornecerão a tecnologia 5G no país e que, a princípio, nenhuma está descartada.

"Ninguém tá fora, vamos conversar com todo mundo. Precipita-se quem acha que eu tô negociando 5G com quem quer que seja em troca disso ou aquilo, não existe negociação", afirmou Bolsonaro a jornalistas, ao deixar loja que visitou em Brasília.

"Entre os países existe interesses, respeitamos os interesses deles, temos os nossos. E o Brasil mudou nessa questão, esse relacionamento, nessa política externa. E estamos fazendo, no meu entender, a coisa certa, em especial tendo a frente o Ernesto Araújo, nosso ministro de Relações Exteriores."

Segundo Bolsonaro, a partir de viagem que será feita pelo ministro das Comunicações nesta próxima semana a países que têm empresas fornecedoras, o governo verá "quem pode apresentar a melhor proposta para nós e possa nos atender".

Na terça, Faria embarca para uma viagem que inclui Finlândia, sede da Nokia, Suécia, onde fica a Ericsson, Coreia do Sul, da Samsung, e China, das empresas Huawei e ZTE.

O governo publicou na sexta-feira uma portaria exigindo a implantação de uma rede privativa de comunicação para a administração federal com requisitos de segurança mais robustos a serem cumpridos pelas empresas de telecomunicação vencedoras do leilão de 5G que quiserem estar aptas a atender a União,

O texto foi a solução encontrada pelo governo para apaziguar as restrições do presidente Jair Bolsonaro à atuação da fornecedora de equipamentos chinesa Huawei e, ao mesmo tempo, não impedir a empresa de atuar no Brasil, o que traria prejuízo às operadoras de telecomunicação.

Bolsonaro, aliado de primeira hora do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump tinha a intenção de banir a Huawei de atuar no mercado brasileiro. Os planos do presidente, no entanto, esbarram no fato de a chinesa já fornecer a maior parte dos equipamentos das redes 4G e 3G do Brasil e ter os menores preços.

(Por Isabel Versiani; Edição de Alexandre Caverni)