Mercado fechado

Bolsonaro diz que Lira será eleito 'se Deus quiser' e defende Ernesto de críticas

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Brazil's president Jair Bolsonaro speaks during the swearing-in ceremony of the Brazil's Tourism Minister Gilson Machado, amidst the Coronavirus (COVID - 19) pandemic at Planalto Palace on December 17, 2020 in Brasilia.  (Photo by Andre Borges/NurPhoto via Getty Images)
As declarações ocorreram durante cerimônia em Propriá (SE) para a inauguração de uma ponte ligando o Sergipe a Alagoas. (Foto: Andre Borges/NurPhoto via Getty Images)

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira que "se Deus quiser" o deputado Arthur Lira (PP-AL) será eleito para a presidência da Câmara. Bolsonaro também defendeu o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, em meio a especulações sobre a demissão dele.

As declarações ocorreram durante cerimônia em Propriá (SE) para a inauguração de uma ponte ligando o Sergipe a Alagoas. Aproveitando o fato de estar ao lado do estado de Lira, declarou sua torcida ao parlamentar de forma enfática:

“Amigos de Sergipe, amigos de Alagoas, se Deus quiser, teremos o segundo homem na linha hierárquica do Brasil, eleito aqui no Nordeste, pela Câmara dos Deputados. O deputado Arthur Lira. Se Deus quiser, o nosso presidente.”

Ao mesmo tempo, Bolsonaro deu uma demonstração de prestígio a Ernesto, ao levar o ministro para uma viagem sem relação com a sua pasta. Na véspera, o vice-presidente Hamilton Mourão citou a possibilidade de Ernesto ser demitido em uma eventual reforma ministerial após as eleições na Câmara e no Senado.

Leia também

“E também (está presente) um ministro muito criticado. Eu sempre digo, se ministro meu for elogiado pela mídia, ele corre o risco de ser demitido. Sem querer generalizar a nossa mídia. Temos bons jornalistas. Mas os figurões da mídia o tempo todo criticam o nosso Ernesto Araújo. O nosso homem que faz as relações públicas com o mundo todo.”

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PROS-AL) também esteve presente na inauguração. Em seu discurso, defendeu Bolsonaro de críticas e disse que ele conta com o apoio tanto da opinião pública quanto da "classe política". Collor disse que o presidente enfrenta uma "tempestade em função do nada", em possível referência às críticas pelos gastos do governo federal com alimentação.

— É uma chuva que rapidamente vai passar, porque o capote de vossa excelência é muito robusto. É o capote que tem o apoio copioso da população brasileira e o apoio fundamental da classe política brasileira, que no Congresso Nacional lhe dará sustentação.

do Extra