Mercado fechará em 3 h 11 min
  • BOVESPA

    129.571,80
    -636,16 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.894,32
    -135,22 (-0,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,95
    +1,07 (+1,51%)
     
  • OURO

    1.855,60
    -10,30 (-0,55%)
     
  • BTC-USD

    40.138,37
    +169,86 (+0,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.000,53
    -10,07 (-1,00%)
     
  • S&P500

    4.245,60
    -9,55 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    34.268,36
    -125,39 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.070,25
    -54,50 (-0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1607
    +0,0292 (+0,48%)
     

Bolsonaro diz que governo não irá interferir apesar da inflação nos alimentos

·1 minuto de leitura
Presidente Jair Bolsonaro em cerimônia no Palácio do Planalto

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro reconheceu nessa terça-feira o aumento da inflação no país, especialmente dos alimentos, mas disse que o governo não irá intervir no mercado, mas pretende resolver o problema com aumento de produção.

Bolsonaro citou como exemplo negativo a Argentina, que proibiu a exportação de carne para tentar controlar o preço.

"Intromissão no mercado leva ao desabastecimento", disse presidente durante uma cerimônia no Palácio do Planalto. "Nós investimos na produção. Tenho certeza que dessa forma diminuiremos o preço da alimentação, produzindo mais e não interferindo no mercado."

Bolsonaro citou ainda a necessidade de se fazer a reforma tributária no país, mas deixou claro que só apoia mudanças que não aumentem impostos.

"Reforma sim, mas sem aumento de impostos. Não podemos continuar sendo um dos países com maior carga tributária do mundo", disse.