Mercado fechado
  • BOVESPA

    93.952,40
    -2.629,76 (-2,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.987,86
    +186,49 (+0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,72
    -0,45 (-1,24%)
     
  • OURO

    1.878,80
    +10,80 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    13.608,45
    +61,46 (+0,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    265,42
    +1,78 (+0,68%)
     
  • S&P500

    3.269,96
    -40,15 (-1,21%)
     
  • DOW JONES

    26.501,60
    -157,51 (-0,59%)
     
  • FTSE

    5.577,27
    -4,48 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.107,42
    -479,18 (-1,95%)
     
  • NIKKEI

    22.977,13
    -354,81 (-1,52%)
     
  • NASDAQ

    11.089,00
    -253,75 (-2,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0584 (-0,87%)
     

Bolsonaro diz que auxílio emergencial não é aposentadoria e reclama de críticas

·1 minuto de leitura
.
.

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro reclamou nesta sexta-feira de quem cobra a manutenção do auxílio emergencial e disse que o benefício, criado como uma ajuda durante a epidemia do novo coronavírus, "não é uma aposentadoria".

Em conversa com apoiadores na saída do Palácio da Alvorada, Bolsonaro afirmou que o auxílio já consumiu 250 bilhões de reais, mas que o governo vai prorrogar até o final do ano, só que em um valor menor que os 600 reais pagos atualmente, mas algumas pessoas já estariam reclamando do valor.

"Tem cara já reclamando, o tempo todo assim. Isso não é aposentadoria, é uma ajuda emergencial. Eu sei que é pouco para quem recebe, mas ajuda, pô, é melhor do que nada", disse.

O governo deve definir nesta sexta o valor que será pago até dezembro. Inicialmente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, havia proposto 200 reais, mas a ideia desagradou o presidente. Bolsonaro já admitiu que não será possível manter os 600, mas quer algo a mais do que Guedes estava disposto a pagar até o momento.

Em discurso em Minas Gerais, na terça-feira, Bolsonaro disse que a sequência do benefício não seria de 600 nem de 200 reais.

Na conversa com apoiadores Bolsonaro disse ainda que o país está "no limite", indicou que não sabe o que acontecerá "se a economia não pegar" e reclamou que "a cruz que carrega" está "muito pesada".

"Lamento, esse vírus aí deu uma baqueada na gente, estávamos indo bem pra caramba", afirmou.

(Reportagem de Lisandra Paraguassu)