Mercado abrirá em 8 h 58 min
  • BOVESPA

    121.241,63
    +892,84 (+0,74%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.458,02
    +565,74 (+1,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,26
    -0,10 (-0,19%)
     
  • OURO

    1.839,60
    +9,70 (+0,53%)
     
  • BTC-USD

    36.781,02
    -158,58 (-0,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    722,68
    -12,46 (-1,69%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.720,65
    -15,06 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    29.510,30
    +647,53 (+2,24%)
     
  • NIKKEI

    28.603,85
    +361,64 (+1,28%)
     
  • NASDAQ

    12.890,50
    +88,25 (+0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4060
    +0,0107 (+0,17%)
     

Bolsonaro diz para não ser cobrado por possíveis efeitos colaterais de vacina contra Covid-19

RICARDO DELLA COLETTA
·3 minuto de leitura
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 19.11.2020 - Presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia do Dia da Bandeira, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 19.11.2020 - Presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia do Dia da Bandeira, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) defendeu nesta quarta-feira (2) que ele não deve ser cobrado por eventuais efeitos colaterais de uma vacina contra a Covid-19.

A fala do mandatário vai na contramão de contrato assinado pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) para o desenvolvimento da vacina da Universidade de Oxford (Inglaterra).

No documento, a instituição vinculada ao Ministério da Saúde se compromete a arcar com todos os eventuais danos decorrentes do uso e da administração do imunizante no Brasil. O laboratório AstraZeneca, responsável por produzir a vacina, ficará isento de responsabilidades, ainda segundo o contrato.

Ao chegar ao Palácio da Alvorada, Bolsonaro não se referiu especificamente ao documento assinado pela Fiocruz, mas questionou seus simpatizantes que estavam no local.

"Vamos supor que [num contrato sobre fornecimento de vacina] está escrito o seguinte: '[as empresas] nos desobrigamos de qualquer ressarcimento ou responsabilidade com possíveis efeitos colaterais imediatos ou futuros'. E daí, vocês vão tomar essa vacina?"

"Eu vou mostrar todo o contrato para vocês. Quem tomar vai saber o que está tomando e as consequências. Se tiver um efeito colateral ou problema qualquer já sabem que não vão cobrar de mim. Vou ser bem claro, a vacina é essa", complementou.

A Folha de S.Paulo mostrou em novembro que as condições acerca das sanções e indenizações da empresa foram impostas pelo laboratório para a assinatura do contrato com a Fiocruz. A informação consta de parecer da Procuradoria Federal junto à Fiocruz sobre o acordo feito com a fundação pública do governo federal.

Em setembro, a Fiocruz assinou contrato que prevê a produção de 100,4 milhões de doses da vacina e transferência de tecnologia para a produção em território nacional.

O acordo da vacina também estabelece uma espécie de teto de indenização por parte da empresa, caso o contrato seja descumprido ou em caso de qualquer outra reclamação decorrente de culpa baseada no contrato.

Esse montante não poderá exceder os valores pagos pela Fiocruz à AstraZeneca. O governo federal abriu crédito extraordinário de R$ 1,9 bilhão para viabilizar a produção e a aquisição das doses da vacina pela Fiocruz.

A chefe da procuradoria da fundação, Deolinda Vieira Costa, afirmou, no documento do dia 5 de setembro, que a discussão das cláusulas foi "o ponto mais controverso e intenso da negociação". No entanto, era a "única opção possível para a Fiocruz".

Segundo o parecer, a proposta inicial da Fiocruz previa reciprocidade quanto aos direitos e deveres das partes, mas a AstraZeneca não aceitou. Mesmo assim, o contrato foi assinado em 9 de setembro.

Apesar da discordância sobre a redação final do contrato, o órgão brasileiro teria aceitado os termos "tendo em vista o interesse público envolvido no acesso a tão importante produto para a saúde da população". "Dadas as circunstâncias fáticas, afigura-se que a negociação tenha chegado a um ponto intransponível e que a aceitação da imposição tenha sido a única opção possível para a Fiocruz", escreveu Costa.

A vacina desenvolvida em Oxford ainda não tem eficácia comprovada, mas é considerada uma das mais promissoras e a principal aposta do presidente Jair Bolsonaro para a imunização no Brasil.