Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.131,73 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,63 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -1,53 (-2,86%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -23,70 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    37.297,27
    +278,99 (+0,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,26 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +77,00 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,08 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -142,00 (-1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3926
    +0,0791 (+1,25%)
     

Bolsonaro diz que "alguns não querem respeitar" Anvisa

Colaboradores Yahoo Notícias
·1 minuto de leitura
Brazil's president Jair Bolsonaro reacts during the swearing-in ceremony of the Brazil's Tourism Minister Gilson Machado, amidst the Coronavirus (COVID - 19) pandemic at Planalto Palace on December 17, 2020 in Brasilia. (Photo by Andre Borges/NurPhoto via Getty Images)

Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou neste sábado (26) que “alguns não querem respeitar” a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) sobre a liberação do uso de vacinas contra o novo coronavírus.

O presidente não especificou a quem se referia, no entanto tem se manifestado contra a vacinação e trava uma “guerra” com o governador de São Paulo, João Doria, pelo controle da imunização.

Leia também

“Já assinei MP [Medida Provisória] de R$ 20 bilhões e entre eu e a vacina tem uma tal de Anvisa que eu respeito e alguns não querem respeitar, é só isso”, disse Bolsonaro.

O presidente se referiu à edição da Medida Provisória, no último dia 17, que destina R$ 20 bilhões para aquisição de vacinas contra o coronavírus e outros itens necessários para a campanha de imunização.

A MP ainda será avaliada pelo Congresso Nacional, que tem a prerrogativa para aprovar o texto, derrubá-lo ou alterá-lo.

Mais cedo, Bolsonaro disse não se sentir pressionado ao ver outros países começando a imunizar suas populações antes do Brasil.

“Ninguém me pressiona pra nada, eu não dou bola pra isso. É razão, razoabilidade, é responsabilidade com o povo, você não pode aplicar qualquer coisa no povo”, comentou, durante passeio por Brasília nesta manhã.