Mercado fechado

Bolsonaro critica OMS durante cúpula do Brics: “Necessita urgentemente de reformas”

Anita Efraim
·1 minuto de leitura
Brazil's President Jair Bolsonaro looks away during a ceremony at the Planalto Presidential Palace in Brasilia, Brazil, Monday, Nov. 9, 2020. (AP Photo/Eraldo Peres)
Presidente Jair Bolsonaro ressaltou bom trabalho de médicos e profissionais da saúde no Brasil (Foto: AP Photo/Eraldo Peres)

Na manhã desta terça-feira, 17, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) participou pela primeira vez da cúpula do Brics, formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Durante o discurso, o presidente fez críticas à Organização Mundial da Saúde.

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, a OMS colocou o isolamento social como uma medida essencial para prevenir o espalhamento da Covid-19. Bolsonaro sempre foi crítico da medida.

“Desde o início da pandemia alertei que a saúde e a economia deveriam ser tratadas simultaneamente e com a mesma responsabilidade. Nenhum país pode enfrentar essa situação excepcional sem dar atenção aos sinais vitais da economia”, disse Bolsonaro.

Quando a pandemia chegou ao Brasil, o presidente minimizou a Covid-19, que chamou de gripezinha. Ele também criticou governadores e prefeitos que optaram por fechar o comércio e restringir a mobilidade.

Leia também

“Assim, agiu o Brasil. Desde o início, também critiquei a politização do vírus e o pretenso monopólio do conhecimento por parte da OMS, Organização Mundial da Saúde, que necessita urgentemente, sim, de reformas.”

Bolsonaro ressaltou os esforços de profissionais da saúde envolvidos no enfrentamento da Covid-19 no país. “É preciso ressaltar que a crise demonstrou a centralidade das nações para a solução dos problemas que hoje acometem o mundo. Temos que reconhecer a realidade de que não foram os organismos internacionais que superaram os desafios, mas sim a coordenação entre os nossos países. No Brasil, foram as instituições nacionais e os dedicados profissionais da área média, de enfermagem e farmacêutica que responderam aos desafios e combateram o vírus.”