Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,72
    +197,75 (+0,41%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,97
    -0,70 (-1,12%)
     
  • OURO

    1.791,90
    +13,50 (+0,76%)
     
  • BTC-USD

    55.769,48
    +476,98 (+0,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.287,63
    +24,67 (+1,95%)
     
  • S&P500

    4.157,60
    +22,66 (+0,55%)
     
  • DOW JONES

    34.037,07
    +215,77 (+0,64%)
     
  • FTSE

    6.895,29
    +35,42 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.850,00
    +55,75 (+0,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7007
    -0,0018 (-0,03%)
     

Bolsonaro critica contrato com Pfizer mesmo após ministério formalizar intenção de compra de vacinas

Ricardo Brito
·1 minuto de leitura
Vacinação contra Covid-19

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar nesta quinta-feira o contrato proposto pela Pfizer para a compra de vacinas contra Covid-19, um dia após o Ministério da Saúde ter formalizado a intenção de comprar 100 milhões de doses do imunizante do laboratório norte-americano.

"A Pfizer é bem clara em seu contrato: 'não nos responsabilizamos por qualquer efeito colateral'. A barra é pesada né? Quem vai se responsabilizar se der um problema, né, uma reação qualquer, podendo até ter problemas graves", reclamou Bolsonaro, em transmissão à noite pelas redes sociais.

O presidente, no entanto, citou que o Congresso aprovou uma lei que responsabiliza o governo federal por eventuais danos advindos da vacinação. O texto, entretanto, permite que Estados e municípios também assumam essa responsabilidade.

Bolsonaro afirmou que não sabe quando devem chegar ao Brasil essas vacinas. Documento distribuído pelo Ministério da Saúde a senadores nesta quinta-feira, no entanto, estima a chegada até o final de maio dos primeiros 2 milhões de doses desse imunizante, cujo contrato com o governo federal está na fase final de negociação.

A vacina da Pfizer é a única que já teve registro definitivo autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o que, na prática, permitiria um uso massivo para imunizar a população.

Há meses autoridades federais vinham reclamando das exigências da Pfizer para fechar acordo para a compra da vacina.