Mercado fechará em 19 mins
  • BOVESPA

    107.022,81
    +980,34 (+0,92%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.216,16
    +311,10 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    42,89
    +0,47 (+1,11%)
     
  • OURO

    1.838,20
    -34,20 (-1,83%)
     
  • BTC-USD

    18.337,77
    -116,97 (-0,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    362,57
    +1,14 (+0,32%)
     
  • S&P500

    3.570,25
    +12,71 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    29.504,64
    +241,16 (+0,82%)
     
  • FTSE

    6.333,84
    -17,61 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    26.486,20
    +34,66 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    25.527,37
    -106,93 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.903,75
    -2,00 (-0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4401
    +0,0602 (+0,94%)
     

Bolsonaro ironiza vacinação obrigatória: "só no Faísca"

Colaboradores Yahoo Notícias
·2 minuto de leitura

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a se posicionar contra a vacinação obrigatória contra o novo coronavírus. Em suas redes sociais, posou ao lado de seu cachorro e escreveu: “Vacina obrigatória só aqui no Faísca”.

Uma lei sancionada por Bolsonaro em fevereiro deste ano, porém, estabelece a possibilidade de autoridades determinarem a realização compulsória de vacinação "para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional" decorrente da Covid-19.

Leia também

Na ocasião, o ministro da Saúde era Luiz Henrique Mandetta, que deixou o cargo em abril por discordar das medidas de Bolsonaro para o combate à crise.

Nesta semana, o presidente havia recuado da compra de milhões de doses da Coronavac, vacina contra o coronavírus do laboratório chinês SinoVac. A manifestação foi feita após apoiadores criticaram fortemente a compra da imunização, testada no Brasil em parceria com o Instituto Butantan.

“Para o meu governo, qualquer vacina, antes de ser, disponibilizada à população, deverá ser comprovada cientificamente pelo ministério da Saúde e certificada pela Anvisa. O povo brasileiro não será cobaia de ninguém”, escreveu o presidente nas redes sociais.

“Não se justifica um bilionário aporte financeiro num medicamento que sequer ultrapassou sua fase de testagem. Diante do exposto, minha decisão é a de não adquirir a referida vacina”, declarou.

A CoronaVac está na terceira e última fase de testes. Segundo o governo de João Doria, entre os 9 mil voluntários que estão participando do programa, 35% tiveram efeitos adversos leves e nenhum teve efeitos colaterais graves. A previsão do governo paulista é de que, até dezembro, a Anvisa aprove a imunização.

Na última terça-feira, 20, Doria havia se reunido com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Depois da conversa entre os dois, veio o anúncio da compra. Apoiadores de Bolsonaro, que veem o governador de São Paulo como opositor, agora pedem que Pazuello seja retirado do cargo.