Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,10 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,43 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,48
    +0,16 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.743,00
    -1,80 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    60.015,06
    +910,22 (+1,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,35 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,00 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,30 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,06 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.823,00
    -6,50 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7622
    +0,1273 (+1,92%)
     

Bolsonaro confirma compra de vacina da Pfizer e diz que primeiras doses chegam em abril

Daniel Gullino
·1 minuto de leitura

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) confirmou nesta quinta-feira que o governo brasileiro irá comprar a vacina da Pfizer contra a Covid-19. Bolsonaro afirmou que a aquisição só foi possível após o Congresso aprovar o projeto que autoriza a União a assumir responsabilidade por possíveis efeitos adversos dos imunizantes.

Bolsonaro disse que no mês que vem "milhões" de vacinas da Pfizer irão chegar no Brasil, mas disse não saber o número exato. Eles não comentou as tratativas com a Janssen, que ocorrem em paralelo.

Leia também

— Por que o Pazuello assinou ontem contrato com a Pfizer? A Pfizer é clara, está lá no contrato: não nos responsabilizamos por qualquer efeito colateral — disse o presidente. — Então, já que o Congresso falou que pode comprar essa vacina, o Pazuello ontem assinou o contrato. Vamos comprar. No mês que vem, não sei a quantidade, mas vai chegar já alguns milhões no Brasil.

As declarações ocorreram durante conversa com apoiadores o aeroporto de Uberlândia (MG), onde Bolsonaro desembarcou para seguir para um evento em São Simão (GO).

O presidente reclamou da repercussão da frase sua, dita em dezembro, de que a vacina da Pfizer poderia transformar as pessoas em "jacaré" e disse que foi um "figura de linguagem".