Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.557,67
    +698,80 (+0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.918,28
    +312,72 (+0,62%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,83
    -0,22 (-0,31%)
     
  • OURO

    1.785,20
    +0,50 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    50.646,58
    +296,75 (+0,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.308,39
    -12,89 (-0,98%)
     
  • S&P500

    4.686,75
    +95,08 (+2,07%)
     
  • DOW JONES

    35.719,43
    +492,40 (+1,40%)
     
  • FTSE

    7.339,90
    +107,62 (+1,49%)
     
  • HANG SENG

    23.983,66
    +634,28 (+2,72%)
     
  • NIKKEI

    28.455,60
    +528,23 (+1,89%)
     
  • NASDAQ

    16.338,75
    +20,75 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3404
    -0,0832 (-1,30%)
     

Bolsonaro confirma Auxílio Brasil de R$400 e promete respeito a teto de gastos

·2 min de leitura
Presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia no Palácio do Planalto

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) -O presidente Jair Bolsonaro confirmou nesta quarta-feira o valor de 400 reais para o Auxílio Brasil, programa que vai substituir o Bolsa Família, e garantiu --sem dar detalhes-- que vai respeitar o teto de gastos públicos, um dia após impasse sobre a origem dos recursos e forte reação do mercado financeiro em relação a essa mudança.

"Ontem (terça-feira) nós decidimos --como está chegando ao fim o Auxílio Emergencial-- dar uma majoração para o antigo Bolsa Família, agora chamado de Auxílio Brasil, de 400 reais", disse o presidente em evento no Ceará.

"Temos a responsabilidade de fazer com que esses recursos venham dentro do próprio Orçamento da União. Ninguém vai furar teto, ninguém fazer nenhuma estripulia no Orçamento", assegurou.

O presidente disse que seria extremamente injusto deixar 17 milhões de pessoas recebendo "tão pouco" como é o pago atualmente pelo Bolsa Família, em um momento em que os impactos da pandemia de Covid-19 atingem os mais vulneráveis.

Na véspera, o governo chegou a marcar o anúncio do Auxílio Brasil, em cerimônia no Palácio do Planalto, mas recuou. A desistência ocorreu devido à indefinição sobre o tamanho do furo ao teto de gastos no desenho para colocar de pé o novo programa de transferência de renda do governo, segundo duas fontes do Ministério da Economia com conhecimento direto do assunto.

Sob condição de anonimato, uma das fontes afirmou que o valor acordado entre a ala política e a equipe econômica era de cerca de 30 bilhões de reais fora do teto, mas que articulações já estavam sendo feitas durante a tarde de terça para que o montante fosse maior, acomodando assim espaço para as emendas de relator, especialmente cobiçadas em ano eleitoral.

O valor destinado a essas emendas, que são feitas pelo parlamentar escolhido para relatar o projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA), ganhou vulto na confecção das últimas peças orçamentárias.

As informações acerca dessas emendas não são transparentes e observadores têm apontado o seu uso para favorecimento das bases eleitorais de parlamentares próximos ao presidente.

A tensão por temores de ameaça à credibilidade fiscal do país devido a propostas de despesas fora do teto de gastos provocou um tombo no principal índice brasileiro de ações e queda do real na terça-feira.

(Reportagem de Ricardo BritoEdição de Maria Pia Palermo)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos