Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    48.175,04
    +998,11 (+2,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7797
    -0,0062 (-0,09%)
     

Bolsonaro e Biden se encontrarão em reunião sobre Amazônia

Colaboradores Yahoo Notícias
·2 minuto de leitura
O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, e o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden

O presidentes Jair Bolsonaro (sem partido) terá seu primeiro encontro com o recém-empossado presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. O chefe do Executivo brasileiro e o democrata norte-americano se reunirão virtualmente em um evento global com a participação de outros líderes mundiais.

De acordo com o jornal O Globo, Biden e Bolsonaro se encontrarão em 22 de abril, Dia da Terra, em uma reunião organizada pelo governo dos Estados Unidos. A Amazônia será o foco principal dos debates, e o presidente brasileiro está na lista dos convidados da Casa Branca.

Leia também

Biden já ameaçou aplicar sanções econômicas ao Brasil diante da condução frágil do governo no combate ao desmatamento na Amazônia. Em novembro, logo após a vitória do democrata sobre Donald Trump, Bolsonaro reagiu incitando pegar em armas contra os Estados Unidos. Sem citar o nome de Biden, disse que uma solução “apenas pela diplomacia não dá” e que “depois que acabar a saliva tem que ter pólvora”.

Bolsonaro parabenizou Biden somente no dia da posse, em 20 de janeiro. Em tom diplomático, o presidente brasileiro cumprimentou o americano e disse que lhe enviou uma carta expondo um "excelente futuro para a parceria Brasil-EUA".

O chefe do Executivo só reconheceu a vitória de Biden sobre Trump, de quem o brasileiro era aliado, 38 dias após o resultado das urnas favorável ao democrata. O presidente foi orientado por Nestor Forster, embaixador nos Estados Unidos, a não se posicionar sobre o pleito porque Trump insistia na tese mentirosa de fraude.

Em 28 de janeiro, ao fim de uma coletiva, Biden foi questionado quando pretendia conversar com Bolsonaro. A pergunta foi feita pela repórter Raquel Krähenbühl, correspondente da Globo nos Estados Unidos e representante da emissora nas coberturas do cotidiano da Casa Branca.

“Senhor presidente, quando o senhor vai falar com o presidente brasileiro?”, perguntou Krähenbühl, no Salão Oval da Casa Branca. “Quando vai falar com Bolsonaro?”. Biden olhou para a repórter, riu e colocou a máscara, ainda em silêncio.