Mercado abrirá em 4 h 43 min
  • BOVESPA

    121.113,93
    +412,93 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,27
    +0,14 (+0,22%)
     
  • OURO

    1.787,00
    +6,80 (+0,38%)
     
  • BTC-USD

    57.185,33
    -285,03 (-0,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.305,11
    -86,60 (-6,22%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.029,19
    +9,66 (+0,14%)
     
  • HANG SENG

    29.090,58
    +120,87 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    29.685,37
    +2,00 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    14.038,00
    +8,50 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6839
    -0,0022 (-0,03%)
     

Bolsonaro avalia Pazuello no PPI e dá posse de novo ministro da Saúde

RICARDO DELLA COLLETA E GUSTAVO URIBE
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro avalia indicar o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, para chefiar o PPI (Programa de Parcerias e Investimentos), órgão responsável por supervisionar os processos de privatizações do governo federal. Com isso, Bolsonaro quer dar uma saída honrosa a Pazuello —​criticado e investigado pela atuação no Ministério da Saúde durante a pandemia. A definição de um lugar para acomodar Pazuello era um dos obstáculos para a posse do novo ministro da Saúde, o médico Marcelo Queiroga. A demora em oficializar a posse foi publicamente cobrada por líderes do centrão. Queiroga foi anunciado por Bolsonaro na semana passada e tomou posse nesta terça em uma discreta cerimônia. Até a conclusão desta edição a confirmação do general no novo cargo não havia sido publicada no Diário Oficial da União. Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, o presidente do PP, senador Ciro Nogueira (PI), afirmou que a demora na efetivação da troca é "um erro do governo". "Deveria ter tomado posse na semana passada, espero que isso se resolva amanhã (23)", declarou. O PPI hoje está sob o guarda-chuva do ministro Paulo Guedes (Economia). A ida de Pazuello deve coincidir com a transferência do programa de privatizações para a Secretaria-Geral, do ministro Onyx Lorenzoni (DEM) —​numa nova derrota para Guedes. Onyx já teve o programa sob sua supervisão quando ele esteve vinculado à Casa Civil. A posse de Queiroga também foi protelada para que o médico pudesse deixar oficialmente a posição de sócio-administrador de uma clínica. Diante das críticas do centrão, grupo parlamentar que hoje dá sustentação ao presidente, Bolsonaro foi aconselhado a realizar a posse o quanto antes. O esforço de acelerar a troca também tem como objetivo evitar cobranças das cúpulas do Legislativo e do Judiciário em reunião marcada para quarta-feira (24). A falta de uma definição em meio a uma escalada de mortes gerou descontentamento e seria tratada no encontro. A demora na posse de Queiroga levou ainda líderes do bloco do centrão a retomar, desde o final de semana, pressão para emplacar um outro nome na pasta. Segundo relatos feitos à reportagem, integrantes do grupo partidário chegaram a sugerir a ministros palacianos que repensassem as indicações dos deputados federais Luiz Antonio Teixeira Jr. (PP-RJ), o "Doutor Luizinho", e Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara. Em conversas reservadas, contudo, Bolsonaro insistiu na necessidade de que a pasta ficasse com um nome técnico, de preferência um médico, na tentativa de inaugurar o que ele tem chamado de uma nova fase na gestão do combate à pandemia.